Demi Lovato cantando em show

Demi Lovato e saúde mental #PrayForDemi

A Demi Lovato é uma das maiores artistas da atualidade. Ela começou tudo muito cedo. Faz parte do elenco da Disney Channel desde que era uma criança, começou muito cedo a fazer sucesso como atriz e cantora sendo ainda uma criança de 8 anos. Estourou com 17 quando foi protagonista da Camp Rock com os Jonas Brothers. Isso tudo parece ser incrível, afinal, quem não quer um pouco de fama e de sucesso – e dinheiro também ? Mas o fato é que não foi o sucesso que veio cedo. Vieram também as pressões, o contato com um mundo que seria muito melhor não ter conhecido. Vem o vazio também, as pessoas estão do seu lado porque gostam de você ou pelo que você pode proporcionar por causa da fama e do interesse que as pessoas tem em você ?

Quando eu paro pra pensar em famosos que tiveram problemas psicológicos, que surtaram de alguma forma eu penso que talvez isso aconteça porque nós não conseguimos enxergá-los como pessoas reais, que sentem dor, que sofrem… Tudo isso porque, na nossa cabeça, condição financeira compra saúde mental.

Demi Lovato e saúde mental

Eu sempre fui muito fã da Demi. Já até escrevi uma matéria pra uma Revista sobre ela, a matéria inclusive tá aqui no blog . 

No começo do blog também escrevi sobre ela aqui. Tudo isso porque pra mim ela sempre foi uma pessoa forte. Imagina só, uma menina que começou cedo uma carreira de sucesso passando pela adolescência – uma fase que nos questionamos quem somos, porquê e qual a nossa diferença no mundo – apegada ao pai que acaba escolhendo as drogas e bebidas no lugar da família? Imagina ainda uma adolescente de 17 anos que tem todos os olhos voltados pro seu corpo quando nem ela mesma se aceita? Imagina ter que ouvir: “Demi engordou. Da forma depreciativa como os tablóides de notícias fazem sendo que ela luta a vida inteira contra a bulimia nervosa?

O que nós não percebemos é que não importa quem somos, qual a posição social… Cada pessoa luta uma batalha que a gente não conhece. E saúde mental tem muito mais a ver com sentimentos internos do que externos. Não é sobre como as pessoas te vêm, é como você se vê e isso não tem a ver com outro. Por isso empatia muda o mundo. Quando paramos de julgar e passamos a abraçar as pessoas a percepção que elas tem delas mesmas, muda.

Deixo o documentário da Demi Lovato pra você entender um pouco mais sobre as batalhas e as lutas dela. É um documentário que fala sobre bulimia, transtorno bipolar, uso de drogas, abandono paterno, cobrança de perfeição. É realmente forte e pode mudar a sua percepção sobre os transtornos mentais.

 

Peróla da Malhação e a mídia

No mês em que se comemora a luta pela conscientização pelos transtornos alimentares, voltamos pra esse assunto. Para contar a história da Pérola da Malhação eu ainda preciso voltar a outro ponto importante do assunto.
Bom, primeiro, como eu já falei, dia 2 de junho é comemorado o Dia Mundial de conscientização sobre os transtornos alimentares – e falar disso será importante nesse post.

No geral as pessoas acham que sabem o que é um transtorno alimentar (” – quando a pessoa não come, né? – quando come e vomita, né?”) mas a verdade é que existe um mundo muito mais complexo que isso. Primeiro de tudo: existe um mundo por trás das doenças mentais. De certa forma, quando fala-se sobre transtornos alimentares as pessoas relacionam a frescura, uma fase que logo vai passar, ou até mesmo é associado a vaidade. E como já expliquei algumas vezes nesse blog, os transtornos alimentares são disfunções na relação com a comida. Sào alterações na forma do comportamento alimentar e também na percepção corporal.

Causa surpresa dizer que a anorexia nervosa é a mais letal das doenças psiquiátricas, até mais danosa que a depressão e com prejuízo de vida que equivale à esquizofrenia. Existem pessoas com bulimia que não vomitam. E ainda que a busca por um corpo saudável pode gerar transtornos alimentares como a ortorexia ou a vigorexia.

No final das contas o que se percebe é que as pessoas entendem muito pouco sobre os transtornos alimentares. E as que entendem, ainda estão presas ao senso comum e aos preconceitos enraizados ao falar de doenças mentais.

Por que falar tudo isso? Porque eu acho sempre necessário fornecer um pouco de informação sobre transtornos alimentares e o quanto essas doenças são letais. E a maneira como falam da história da Pérola da Malhação nos faz analisar um pouco mais a maneira como é visto as doenças mentais.

A história da Pérola da Malhação

É importantíssimo falarmos sobre esse assunto na mídia. É importante promover o debate sobre todas as doenças mentais e quebrar os paradigmas que as envolvem. O que acontece é que pra isso é necessário MUITO cuidado e responsabilidade. Algo que não me parece que aconteceu nessa edição da novela. Eu não sou especialista no assunto. Mas se você me conhece ou leu a aba Transtorno Alimentar do blog, percebeu que eu tento estudar um pouco sobre isso e por isso, acabei me envolvendo muito com o assunto.

O fato é que pra fazer meu trabalho de conclusão de curso de jornalismo escrevi o livro “Eu não moro mais em mim – relatos sobre transtornos alimentares e padrões irreais.” E nesse processo o meu maior medo não era saber se eu conseguiria ou não terminar o trabalho mas sim, se ele geraria gatilho. E essa, inclusive foi uma pergunta que eu fiz para Daiana Garbin quando ela veio ao Flipoços. A Daiana e os especialistas que estavam no bate-papo me responderam que a única maneira era “não ensinando práticas”. Então, esse é um dos maiores cuidados que tenho ao falar do assunto.

Malhação tem um tratamento do tema muito parecido com 13 Reasons Why ( confira motivos para não assistir) , a série que fala sobre suicídio. O que acontece é que os dois programas geram gatilho, ensinam métodos e podem fazer com que o problema tome uma proporção maior. Há algum tempo uma novela da Globo retratou a história de uma bailarina que tinha bulimia. E a forma como a novela abordou a história fez com que o registro de pessoas com bulimia aumentasse muito. Ou seja, ensinou métodos e fez com que pessoas que já tinham propensão – seja genética ou biológica – desenvolvessem a doença como a Pérola da Malhação.

Problemas da novela

O problema dessa Malhação em tratar o tema não é só o de ensinar métodos. Ela também mostra a doença como solução.

A história da Pérola e seu problema com o corpo é muito pouco explorado até que ela tenha as crises mais graves de anorexia. Com isso, passa a ideia de que ela estava tendo esse problema naquela fase. Era uma fase e logo passaria. Muitas pessoas podem achar que de fato chegou a ser explorado esse assunto, já que no primeiro capítulo da novela a menina está desmaiada após tomar muitos remédios e seu então namorado diz que ela tinha problemas com o corpo. Quantos episódios abordaram de fato isso? Dois ? Três ?

Todo um vocabulário de um grupo de pessoas que se unem para viver a doença é exposto. Isso poderia ser bom, porque ajuda a alertar, mas ao mesmo tempo isso gera curiosidade e pra quem já busca uma “saída”pra um problema é muito perigoso.

Além disso, a novela não é NADA real. A anorexia nervosa é uma doença muito séria e ficar dias sem comer pode causar prejuízos muito sérios mas a novela dá um resultado imediato: quatro dias sem comer e você estará muito mais magra. Não é assim que funciona. O nosso organismo não reage dessa maneira e o emagrecimento é variável de corpo pra corpo. O fato é que a solução – que no caso é o emagrecimento – foi dada muito rápido. E isso pode fazer com que influencie pessoas a tentarem os métodos usados por ela, já que foram muito bem explicados e explícitos. O problema é que não é um caminho fácil de voltar. E por não chegar aos resultados de emagrecimento que a personagem chegou, a pessoas , agora munida de métodos, pode tentar por mais vezes e acabar doente.

Tratamento

O mais preocupante disso tudo: não mostra o tratamento. E de certa forma, ela melhora muito rápido. O tratamento pra transtorno alimentar, seja ele qual for, exige um tratamento de equipe multidisciplinar já que é necessário psicólogo, psiquiatra, nutricionista e muitas vezes outros médicos como cardiologista e endocrinologista entre outros por conta do dano causado ao corpo. Nada disso foi muito explicado. O que, mais uma vez, reforça a ideia de algo fácil tanto de resolver como de sair. O que é mentira.

Mas no final das contas esse é o reflexo que a mídia tem sobre esses problemas: falando é o que importa. Mas é preciso muito mais cuidado e atenção ao lidar com problemas psicológicos e metais. Exige responsabilidade e comprometimento.

É como ouvi sobre a série 13 Reasons Why: Se não é pra quem tem o problema porque gera gatilho mas também é perigoso pra quem não tem porque pode fazer com que a pessoa aprenda os métodos, no final das contas é pra quem?

A Pérola da Malhação assim como a Hannah de 13 Reasons Why são pessoas doentes. E assim como todo tratamento, precisariam passar por processos, processos longos e muitas vezes dolorosos. Talvez mais eficaz que falar sobre o tema seja cuidar para que ele não seja proliferado.

Mais que querer falar sobre transtornos alimentares na televisão talvez o interessante fosse dar mais espaço para garotas gordas, acima do peso ou com belezas diferentes do que estamos acostumados a ver nas televisões e nas séries. Imagina que revolução seria se todos os protagonistas fossem “pessoas reais”como a Rae de My Mad Fat Diary ?

 

Uma carta à Veja

Querida Veja,

Revista Veja, venho por meio deste texto ajudá-la a perceber seus erros na matéria “Jovens usam códigos para promover a anorexia na rede”. Como jornalista e estudiosa sobre transtornos alimentares me sinto obrigada a falar sobre isso.

O primeiro ponto que devemos tratar é que, eu sei que não é comum falar sobre transtornos alimentares. Problemas mentais em geral são difíceis de serem abordados  e por isso, exigem estudos ainda mais aprofundados sobre eles. É preciso conhecer sobre transtornos alimentares e entender o que são a anorexia e a bulimia, foco da matéria. Bulimia não é só vomitar depois das refeições. Mas sim, qualquer ato purgatório com o intuito de eliminar o alimento do seu corpo por causa da culpa. Existem outros métodos além do vômito e são tão sérios e graves quanto.

Outra coisa, a exposição das hashtags dessa maneira pode gerar curiosidade, busca e acabar com meninas e meninos (porque eles também existem) que já tem algum problema com a autoimagem, desenvolvendo algum transtorno alimentar. ( Que também não se resumem em anorexia e bulimia.)

Último recado

O que escolhi deixar por último porque foi o maior caso de irresponsabilidade que encontrei na matéria foi o fato de MENCIONAR o nome do remédio que é o mais usado para o emagrecimento. Vamos falar sobre ele… É um remédio usado para bronquite mas que acelera o metabolismo e faz que aconteça a perca de peso. Além da irresponsabilidade de colocar o nome do remédio – em evidência duas vezes – ainda foi colocado um print que mostra com clareza onde comprá-lo e o preço. Ah, acho importante falar que esse remédio deveria ter a venda proibida porque tem uma lista gigantesca de contraindicação, sintomas e tem grande risco de causar parada cardíaca.

Que incrível, querida Veja! Facilitando a vida de quem não conhecia e queria comprar mas não sabia onde, hein? Olha, eu sei que é difícil falar sobre transtornos alimentares e não gerar gatilho, incentivo ou fornecer dicas mesmo que sem intenção… Mas o que se vê nessa matéria é praticamente um tutorial de como não expor a doença. Esse, definitivamente, não é o caminho para colocar o assunto em pauta!