Peróla da Malhação e a mídia

No mês em que se comemora a luta pela conscientização pelos transtornos alimentares, voltamos pra esse assunto. Para contar a história da Pérola da Malhação eu ainda preciso voltar a outro ponto importante do assunto.
Bom, primeiro, como eu já falei, dia 2 de junho é comemorado o Dia Mundial de conscientização sobre os transtornos alimentares – e falar disso será importante nesse post.

No geral as pessoas acham que sabem o que é um transtorno alimentar (” – quando a pessoa não come, né? – quando come e vomita, né?”) mas a verdade é que existe um mundo muito mais complexo que isso. Primeiro de tudo: existe um mundo por trás das doenças mentais. De certa forma, quando fala-se sobre transtornos alimentares as pessoas relacionam a frescura, uma fase que logo vai passar, ou até mesmo é associado a vaidade. E como já expliquei algumas vezes nesse blog, os transtornos alimentares são disfunções na relação com a comida. Sào alterações na forma do comportamento alimentar e também na percepção corporal.

Causa surpresa dizer que a anorexia nervosa é a mais letal das doenças psiquiátricas, até mais danosa que a depressão e com prejuízo de vida que equivale à esquizofrenia. Existem pessoas com bulimia que não vomitam. E ainda que a busca por um corpo saudável pode gerar transtornos alimentares como a ortorexia ou a vigorexia.

No final das contas o que se percebe é que as pessoas entendem muito pouco sobre os transtornos alimentares. E as que entendem, ainda estão presas ao senso comum e aos preconceitos enraizados ao falar de doenças mentais.

Por que falar tudo isso? Porque eu acho sempre necessário fornecer um pouco de informação sobre transtornos alimentares e o quanto essas doenças são letais. E a maneira como falam da história da Pérola da Malhação nos faz analisar um pouco mais a maneira como é visto as doenças mentais.

A história da Pérola da Malhação

É importantíssimo falarmos sobre esse assunto na mídia. É importante promover o debate sobre todas as doenças mentais e quebrar os paradigmas que as envolvem. O que acontece é que pra isso é necessário MUITO cuidado e responsabilidade. Algo que não me parece que aconteceu nessa edição da novela. Eu não sou especialista no assunto. Mas se você me conhece ou leu a aba Transtorno Alimentar do blog, percebeu que eu tento estudar um pouco sobre isso e por isso, acabei me envolvendo muito com o assunto.

O fato é que pra fazer meu trabalho de conclusão de curso de jornalismo escrevi o livro “Eu não moro mais em mim – relatos sobre transtornos alimentares e padrões irreais.” E nesse processo o meu maior medo não era saber se eu conseguiria ou não terminar o trabalho mas sim, se ele geraria gatilho. E essa, inclusive foi uma pergunta que eu fiz para Daiana Garbin quando ela veio ao Flipoços. A Daiana e os especialistas que estavam no bate-papo me responderam que a única maneira era “não ensinando práticas”. Então, esse é um dos maiores cuidados que tenho ao falar do assunto.

Malhação tem um tratamento do tema muito parecido com 13 Reasons Why ( confira motivos para não assistir) , a série que fala sobre suicídio. O que acontece é que os dois programas geram gatilho, ensinam métodos e podem fazer com que o problema tome uma proporção maior. Há algum tempo uma novela da Globo retratou a história de uma bailarina que tinha bulimia. E a forma como a novela abordou a história fez com que o registro de pessoas com bulimia aumentasse muito. Ou seja, ensinou métodos e fez com que pessoas que já tinham propensão – seja genética ou biológica – desenvolvessem a doença como a Pérola da Malhação.

Problemas da novela

O problema dessa Malhação em tratar o tema não é só o de ensinar métodos. Ela também mostra a doença como solução.

A história da Pérola e seu problema com o corpo é muito pouco explorado até que ela tenha as crises mais graves de anorexia. Com isso, passa a ideia de que ela estava tendo esse problema naquela fase. Era uma fase e logo passaria. Muitas pessoas podem achar que de fato chegou a ser explorado esse assunto, já que no primeiro capítulo da novela a menina está desmaiada após tomar muitos remédios e seu então namorado diz que ela tinha problemas com o corpo. Quantos episódios abordaram de fato isso? Dois ? Três ?

Todo um vocabulário de um grupo de pessoas que se unem para viver a doença é exposto. Isso poderia ser bom, porque ajuda a alertar, mas ao mesmo tempo isso gera curiosidade e pra quem já busca uma “saída”pra um problema é muito perigoso.

Além disso, a novela não é NADA real. A anorexia nervosa é uma doença muito séria e ficar dias sem comer pode causar prejuízos muito sérios mas a novela dá um resultado imediato: quatro dias sem comer e você estará muito mais magra. Não é assim que funciona. O nosso organismo não reage dessa maneira e o emagrecimento é variável de corpo pra corpo. O fato é que a solução – que no caso é o emagrecimento – foi dada muito rápido. E isso pode fazer com que influencie pessoas a tentarem os métodos usados por ela, já que foram muito bem explicados e explícitos. O problema é que não é um caminho fácil de voltar. E por não chegar aos resultados de emagrecimento que a personagem chegou, a pessoas , agora munida de métodos, pode tentar por mais vezes e acabar doente.

Tratamento

O mais preocupante disso tudo: não mostra o tratamento. E de certa forma, ela melhora muito rápido. O tratamento pra transtorno alimentar, seja ele qual for, exige um tratamento de equipe multidisciplinar já que é necessário psicólogo, psiquiatra, nutricionista e muitas vezes outros médicos como cardiologista e endocrinologista entre outros por conta do dano causado ao corpo. Nada disso foi muito explicado. O que, mais uma vez, reforça a ideia de algo fácil tanto de resolver como de sair. O que é mentira.

Mas no final das contas esse é o reflexo que a mídia tem sobre esses problemas: falando é o que importa. Mas é preciso muito mais cuidado e atenção ao lidar com problemas psicológicos e metais. Exige responsabilidade e comprometimento.

É como ouvi sobre a série 13 Reasons Why: Se não é pra quem tem o problema porque gera gatilho mas também é perigoso pra quem não tem porque pode fazer com que a pessoa aprenda os métodos, no final das contas é pra quem?

A Pérola da Malhação assim como a Hannah de 13 Reasons Why são pessoas doentes. E assim como todo tratamento, precisariam passar por processos, processos longos e muitas vezes dolorosos. Talvez mais eficaz que falar sobre o tema seja cuidar para que ele não seja proliferado.

Mais que querer falar sobre transtornos alimentares na televisão talvez o interessante fosse dar mais espaço para garotas gordas, acima do peso ou com belezas diferentes do que estamos acostumados a ver nas televisões e nas séries. Imagina que revolução seria se todos os protagonistas fossem “pessoas reais”como a Rae de My Mad Fat Diary ?

 

Uma carta à Veja

Querida Veja,

Revista Veja, venho por meio deste texto ajudá-la a perceber seus erros na matéria “Jovens usam códigos para promover a anorexia na rede”. Como jornalista e estudiosa sobre transtornos alimentares me sinto obrigada a falar sobre isso.

O primeiro ponto que devemos tratar é que, eu sei que não é comum falar sobre transtornos alimentares. Problemas mentais em geral são difíceis de serem abordados  e por isso, exigem estudos ainda mais aprofundados sobre eles. É preciso conhecer sobre transtornos alimentares e entender o que são a anorexia e a bulimia, foco da matéria. Bulimia não é só vomitar depois das refeições. Mas sim, qualquer ato purgatório com o intuito de eliminar o alimento do seu corpo por causa da culpa. Existem outros métodos além do vômito e são tão sérios e graves quanto.

Outra coisa, a exposição das hashtags dessa maneira pode gerar curiosidade, busca e acabar com meninas e meninos (porque eles também existem) que já tem algum problema com a autoimagem, desenvolvendo algum transtorno alimentar. ( Que também não se resumem em anorexia e bulimia.)

Último recado

O que escolhi deixar por último porque foi o maior caso de irresponsabilidade que encontrei na matéria foi o fato de MENCIONAR o nome do remédio que é o mais usado para o emagrecimento. Vamos falar sobre ele… É um remédio usado para bronquite mas que acelera o metabolismo e faz que aconteça a perca de peso. Além da irresponsabilidade de colocar o nome do remédio – em evidência duas vezes – ainda foi colocado um print que mostra com clareza onde comprá-lo e o preço. Ah, acho importante falar que esse remédio deveria ter a venda proibida porque tem uma lista gigantesca de contraindicação, sintomas e tem grande risco de causar parada cardíaca.

Que incrível, querida Veja! Facilitando a vida de quem não conhecia e queria comprar mas não sabia onde, hein? Olha, eu sei que é difícil falar sobre transtornos alimentares e não gerar gatilho, incentivo ou fornecer dicas mesmo que sem intenção… Mas o que se vê nessa matéria é praticamente um tutorial de como não expor a doença. Esse, definitivamente, não é o caminho para colocar o assunto em pauta!