Fique em silêncio

Sabe, as vezes o que  a gente precisa é simples: ficar em silêncio. E não, não é desligar os fones. É ficar mudo para o que é externo e eu, particularmente, sempre vi a música como algo de dentro. Mas o silêncio é necessário pra ouvir o que sai de dentro. Quantas vezes ficamos realmente sozinhos com quem somos? Quantas vezes olhamos pro que há em nós, sem os barulhos externos e nos sentimos confortáveis com isso?

Porque é difícil estar com a gente. 

É difícil ouvir algumas verdades dentro de nós. É difícil lidar com os nossos traumas, medos e frustrações quando ficamos sozinhos e só temos a nós mesmos. Mas no final das contas é só isso que temos: o que está dentro de nós. As coisas boas e ruins que juntas formam tudo que somos, que amadurecemos e o que ainda seremos.  Ficar com a gente é difícil porque no final das contas só nós sabemos tudo que há em nós. E só nós sabemos que não somos feitos de sentimentos bons e esperança todo tempo. Mas tudo bem. Ser humano também nos faz não ser perfeitos. E a perfeição na verdade nem tem muita graça.

Estar em silêncio é autoconhecimento.

Pra que a gente se conheça é preciso tempo, espaço e intimidade. Tem hora que só nós podemos conversar com o nosso coração, os nossos sentimentos e tudo de bonito, feio ou estranho que está em nós. Tem hora que pra que as coisas, as relações e os sonhos aconteçam como queremos, precisamos saber quais os sentimentos mais reais que existem em nós. Precisamos saber porque eles existem. Porque cada pessoa é o acumulo de sentimentos, sejam eles resolvidos ou não. Mas disso tudo, pra saber as raízes é preciso se olhar, se acolher e se escolher. É preciso silenciar o resto de vez em quando pra olhar pra dentro. Não tem nenhum problema nisso. Na verdade, é uma obrigação.