Amor próprio: 05 coisas que você precisa saber

Hoje falamos muito sobre amor próprio e ao mesmo tempo somos cobrados constantemente a viver esse conceito. Ele é induzido quase goela abaixo. A verdade é que o caminho do amor próprio e autoestima é longo e demorado. Não aparece do dia para a noite. Mas ainda assim é um processo de libertação e todo processo de libertação é positivo. Nesse caminho você terá algumas lições:

01- Não é sobre como as pessoas te vêm, é sobre como você se vê

Muita gente fala: ” nossa, mas você é tão bonita (o), tem que se amar!”, o negócio é que amor próprio e principalmente autoestima não está ligado à forma que as pessoas te veem e sim, à maneira como VOCÊ se vê. Não está intimamente ligado a elogios mas sim em que, apesar dos elogios, você mesmo não se enxerga como as pessoas te enxergam e acaba se sentindo inferior, incapaz e despreparado a amar algo que não admira: você.

Dizer que uma pessoa é bonita pra ajudar na autoestima não resolve muita coisa. Melhor que olhar pro exterior é elogiar o interior de alguém que está no processo de autoaceitação. Provavelmente, ela vai achar que o elogio a beleza no geral é da boca pra fora – porque ela não enxerga da maneira que você enxerga – enquanto o elogio a algum feito vai ganhar um espaço especial.

02- Você não merece ser amado só se se amar primeiro

Escutamos muito por aí que só podemos ser amados quando nos amamos. Só encontraremos o amor da vida quando estivermos completamente bem e feliz sozinhos e com tudo que somos.

Mas o que acontece é que, ao falar isso pra uma pessoa com baixa autoestima, só reforçamos ainda mais dentro dela a ideia de que ela não merece amor. E ao mesmo tempo vamos contra todo discurso de amor que nos mostra que Deus nos ama apesar da nossa fraqueza. Ou só merecemos o amor Dele quando estamos completamente sarados e curados? Não! A Bíblia nos diz que Deus nos amou quando éramos ainda falhos, como diz em Romanos 5:8.

Se Deus – que é perfeito –  nos amou na nossa imperfeição, porque nós, imperfeitos não podemos amar outros tão imperfeitos quanto nós? 

Quando continuamos falando que só seremos amados quando nos amarmos estamos dizendo pro outro que é fácil, “SE AMA AÍ” e sabemos bem que não é assim.

03- Amor próprio não é egoismo. Mas não é fácil entender isso.

Outra coisa que repetimos por aí é que amor próprio não é egoísmo e tudo bem se escolher primeiro. Geralmente, quem tem problema com isso sabe de cor essas frases, o problema é aplicá-las.

Mesmo sabendo que deveria se amar primeiro a pessoa tem tanta dificuldade em fazer isso que não consegue. É simples e doloroso então não continue repetindo frases clichês: ela conhece todas, só não consegue aplicar.

04- Baixa autoestima é reflexo da busca pela perfeição

A baixa autoestima está intimamente ligada à cobrança excessiva. Quando a pessoa se enxerga de maneira distorcida, na maioria dos casos é porque busca uma perfeição inalcançável e aí não falamos apenas da busca pela perfeição do corpo ( que pode gerar um transtorno alimentar) mas também em relação a tudo. A nunca se sentir completamente suficiente pra alguma coisa ou alguém. Seja suficientemente inteligente, engraçado ou qualquer outra coisa.

A busca pela perfeição – que não existe – faz com que a pessoa se cobre cada vez mais e se enxergue cada vez menos.

05- É um processo e tem recaídas

Entre as coisas mais difíceis de entender sobre processos é que eles tem altos e baixos. E levam tempo. A busca pela autoaceitação e autoestima são processos que exigem um passo de cada vez e por isso podem gerar recaídas. Recaídas apesar de dolorosas são boas e tudo bem acordar um dia mal.

Não somos robôs e não conseguimos programar nossas emoções. Mas, sobretudo, as recaídas nos fazem levantar de novo e essa é a maior beleza dos processos.

Transtorno alimentar: será que eu tenho?

A primeira coisa que precisamos explicar é: você realmente sabe o que é transtorno alimentar?

Talvez pra você distúrbio alimentar seja gracinha de umas meninas magras que querem ficar mais magras ainda. Mas não, isso não é transtorno alimentar. Transtornos alimentares são doenças mentais que fazem pessoas terem uma distorção de sua própria imagem. Uma distorção tão grande que as fazem odiar tanto seu próprio corpo a ponto de puní-lo de alguma forma.

Seja parando de comer (anorexia), ou seja colocando a comida pra fora através de vômitos autoinduzidos, medicamentos, diuréticos, enfim (bulimia), os transtornos alimentares são marcados pela insatisfação corporal profunda e a má relação com a comida. Mas são uma complexa ligação de diversos fatores, sejam sociais, biológicos ou psicológicos. 

Como perceber se você tem um transtorno alimentar

O primeiro passo é se perceber. Quanto a sua preocupa com seu peso, seu corpo ou sua alimentação te impedem de fazer tarefas do dia a dia, sair de casa e todas essas coisas? Se isso estiver te paralisando, deprimindo e te fazendo ficar isolado é hora de procurar ajuda.

Outra coisa importante é nunca se autosabotar e se autodiagnosticar. Nós só conseguimos saber se realmente temos alguma doença  um problema, quando procuramos ajuda especializada. Assim como é normal procurar um médico quando se está com dor de cabeça, tudo bem procurar um psicólogo quando o problema é uma doença mental. As doenças mentais podem causar danos muito mais graves que as doenças físicas.  Por isso é importante quebrar aquele tabu que as pessoas tem com psicólogos, psiquiatras e todo esse tratamento terapêutico. É impossível salvar a saúde física quando a mental não está em dia.

Má relação com a comida

Um dos primeiros sinais que você tem um problema alimentar é uma má relação com a comida. A má relação com os alimentos começa com pequenos sinais: restrição por medo de engordar, culpa depois de comer, muito medo de engordar principalmente por contas de alguns alimentos como doces, carboidratos e frituras.

Isso porque em uma construção social nada boa, as pessoas impõem que comer esses alimentos “engorda”. Na verdade uma pessoa precisa de cerca de 7 mil calorias a mais do que o que ela come normalmente em um dia pra engordar. Os alimentos não tem nenhum poder “engordativo”.  Nosso próprio corpo se encarrega da metabolização e da queima de caloria com coisas do dia a dia. Se isso começa a ser um problema pra você, te impede de sair de casa e fazer coisas básicas da sua rotina como simplesmente levantar da cama, é hora de buscar ajuda!

Se tiver dúvidas, procure ajuda!

Os transtornos alimentares podem ser doenças muito sérias e exigem muito cuidado apesar de ainda terem um espaço muito pequeno na mídia. Se você acha que sua relação com a comida e com o corpo é muito conturbada e isso tem afetado a sua vida, procure ajuda! Em quase todas as faculdades que oferecem o curso de psicologia os atendimentos são gratuitos ou de valor simbólico. Eu não pretendo me calar sobre assunto e acredito que, quanto mais falarmos sobre isso, mais chances de busca por tratamento e cura teremos. Então, estamos juntos nessa jornada!