Transtorno alimentar: será que eu tenho?

A primeira coisa que precisamos explicar é: você realmente sabe o que é transtorno alimentar?

Talvez pra você distúrbio alimentar seja gracinha de umas meninas magras que querem ficar mais magras ainda. Mas não, isso não é transtorno alimentar. Transtornos alimentares são doenças mentais que fazem pessoas terem uma distorção de sua própria imagem. Uma distorção tão grande que as fazem odiar tanto seu próprio corpo a ponto de puní-lo de alguma forma.

Seja parando de comer (anorexia), ou seja colocando a comida pra fora através de vômitos autoinduzidos, medicamentos, diuréticos, enfim (bulimia), os transtornos alimentares são marcados pela insatisfação corporal profunda e a má relação com a comida. Mas são uma complexa ligação de diversos fatores, sejam sociais, biológicos ou psicológicos. 

Como perceber se você tem um transtorno alimentar

O primeiro passo é se perceber. Quanto a sua preocupa com seu peso, seu corpo ou sua alimentação te impedem de fazer tarefas do dia a dia, sair de casa e todas essas coisas? Se isso estiver te paralisando, deprimindo e te fazendo ficar isolado é hora de procurar ajuda.

Outra coisa importante é nunca se autosabotar e se autodiagnosticar. Nós só conseguimos saber se realmente temos alguma doença  um problema, quando procuramos ajuda especializada. Assim como é normal procurar um médico quando se está com dor de cabeça, tudo bem procurar um psicólogo quando o problema é uma doença mental. As doenças mentais podem causar danos muito mais graves que as doenças físicas.  Por isso é importante quebrar aquele tabu que as pessoas tem com psicólogos, psiquiatras e todo esse tratamento terapêutico. É impossível salvar a saúde física quando a mental não está em dia.

Má relação com a comida

Um dos primeiros sinais que você tem um problema alimentar é uma má relação com a comida. A má relação com os alimentos começa com pequenos sinais: restrição por medo de engordar, culpa depois de comer, muito medo de engordar principalmente por contas de alguns alimentos como doces, carboidratos e frituras.

Isso porque em uma construção social nada boa, as pessoas impõem que comer esses alimentos “engorda”. Na verdade uma pessoa precisa de cerca de 7 mil calorias a mais do que o que ela come normalmente em um dia pra engordar. Os alimentos não tem nenhum poder “engordativo”.  Nosso próprio corpo se encarrega da metabolização e da queima de caloria com coisas do dia a dia. Se isso começa a ser um problema pra você, te impede de sair de casa e fazer coisas básicas da sua rotina como simplesmente levantar da cama, é hora de buscar ajuda!

Se tiver dúvidas, procure ajuda!

Os transtornos alimentares podem ser doenças muito sérias e exigem muito cuidado apesar de ainda terem um espaço muito pequeno na mídia. Se você acha que sua relação com a comida e com o corpo é muito conturbada e isso tem afetado a sua vida, procure ajuda! Em quase todas as faculdades que oferecem o curso de psicologia os atendimentos são gratuitos ou de valor simbólico. Eu não pretendo me calar sobre assunto e acredito que, quanto mais falarmos sobre isso, mais chances de busca por tratamento e cura teremos. Então, estamos juntos nessa jornada!

Se dê conta: transtornos alimentares

“GENTA promove há 14 anos a Semana de Conscientização sobre transtornos alimentares e obesidade”

Ontem começou mais uma campanha nacional de prevenção dos transtornos alimentares : Semana Se Dê conta 2018!

Esse movimento de conscientização é organizado desde 2004 pelo GENTA, que é o Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares, e tem o objetivo de orientar a população sobre os malefícios dos transtornos alimentares e obesidade. A campanha “Se dê conta” é lançada depois da semana de conscientização liderada pela NEDA- Associação Nacional de Transtornos Alimentares dos Estados Unidos.

Esse período é uma mobilização para alertar sobre a seriedade dos transtornos alimentares e seus fatores de risco e também para debater temas pertinentes da área. Esse ano os temas em destaque são:

– Ditadura da beleza e práticas das dietas.

– Obsessão cultural pelo corpo “perfeito”.

– Estigma da obesidade.

– Alimentação, saúde, beleza e bem-estar.

– Influência da mídia e da cultura na insatisfação corporal, autoaceitação e autoestima.

Para realizar esse trabalho o GENTA promove palestras, workshops, cursos e campanhas nas redes sociais com o objetivo de promover a autoaceitação de diversos tamanhos e formas corporais, contribuindo para a melhora da autoestima e a diminuição do estigma contra a obesidade, além de alertar sobre os perigos da alimentação inadequada. No site deles é possível baixar gratuitamente um material para uso educativo e de orientação sobre os transtornos alimentares.

GENTA- GRUPO ESPECIALIZADO EM NUTRIÇÃO E TRANSTORNOS ALIMENTARES 

O GENTA é formado por um grupo de profissionais que há quase 20 anos compartilha saberes sobre transtornos alimentares, obesidade e insatisfação corporal. Tem missão de estudar, pesquisar, avaliar e discutir formas de tratar e prevenir os TAs e obesidade. A equipe é formada por nutricionistas e profissionais de educação física. Eles têm diversos livros, artigos científicos e campanhas para promover o conhecimento sobre os transtornos alimentares, obesidade e boa relação com o corpo e saúde. 

Uma carta à Veja

Querida Veja,

Revista Veja, venho por meio deste texto ajudá-la a perceber seus erros na matéria “Jovens usam códigos para promover a anorexia na rede”. Como jornalista e estudiosa sobre transtornos alimentares me sinto obrigada a falar sobre isso.

O primeiro ponto que devemos tratar é que, eu sei que não é comum falar sobre transtornos alimentares. Problemas mentais em geral são difíceis de serem abordados  e por isso, exigem estudos ainda mais aprofundados sobre eles. É preciso conhecer sobre transtornos alimentares e entender o que são a anorexia e a bulimia, foco da matéria. Bulimia não é só vomitar depois das refeições. Mas sim, qualquer ato purgatório com o intuito de eliminar o alimento do seu corpo por causa da culpa. Existem outros métodos além do vômito e são tão sérios e graves quanto.

Outra coisa, a exposição das hashtags dessa maneira pode gerar curiosidade, busca e acabar com meninas e meninos (porque eles também existem) que já tem algum problema com a autoimagem, desenvolvendo algum transtorno alimentar. ( Que também não se resumem em anorexia e bulimia.)

Último recado

O que escolhi deixar por último porque foi o maior caso de irresponsabilidade que encontrei na matéria foi o fato de MENCIONAR o nome do remédio que é o mais usado para o emagrecimento. Vamos falar sobre ele… É um remédio usado para bronquite mas que acelera o metabolismo e faz que aconteça a perca de peso. Além da irresponsabilidade de colocar o nome do remédio – em evidência duas vezes – ainda foi colocado um print que mostra com clareza onde comprá-lo e o preço. Ah, acho importante falar que esse remédio deveria ter a venda proibida porque tem uma lista gigantesca de contraindicação, sintomas e tem grande risco de causar parada cardíaca.

Que incrível, querida Veja! Facilitando a vida de quem não conhecia e queria comprar mas não sabia onde, hein? Olha, eu sei que é difícil falar sobre transtornos alimentares e não gerar gatilho, incentivo ou fornecer dicas mesmo que sem intenção… Mas o que se vê nessa matéria é praticamente um tutorial de como não expor a doença. Esse, definitivamente, não é o caminho para colocar o assunto em pauta!