Resenha- Orgulho&Preconceito

Uma forma de me sentir útil a mim mesma é tendo minhas leituras em dia então digamos que estou bem feliz de terminar esse livro que lhes vou contar hahah.

Orgulho e preconceito – Jane Austen

O livro Orgulho e Preconceito é bastante conhecido. Foi publicado, originalmente em inglês como Pride and Prejudice, em 1797. Sim, muito tempo!

Jane Austin nasceu na Inglaterra em 1775 e é um dos maiores nomes da literatura inglesa, do ladinho de Shakespeare. Jane publicou seu primeiro livro ainda com 17 anos.

Justamente pela época em que o livro foi escrito e pela época que ele relata, a Inglaterra no século 18, a linguagem usada é muito diferente dos romances de hoje. Tem um toque muito bonito.

Essa edição que eu li foi feita em 2017, então é bastante bonita, com uma capa que eu fiquei apaixonada e o preço foi apenas 15 reais.

O livro

Vamos ao livro então!

O livro relata as relações do século 18, principalmente sobre a importância do casamento pra época. Toda trama gira em torno de Elizabeth e sua família.

Conta o desespero da mãe de Eliza para que todas as 5 filhas casem bem – e cedo. O interessante dessa história é perceber como hoje, graças a Deus rs, as coisas mudaram em relação à necessidade de um casamento.

É muito claro no livro que naquela época as pessoas se casavam mesmo sem se conhecer direito, só pela necessidade de fazer um bom casamento, com famílias que se conhecem e que possam agregar financeiramente.

A história de Eliza e suas irmãs retratam o desespero de um delas para casar logo, de outra em conquistar o amado e de Eliza de de fato ter alguém legal por perto.

É engraçado perceber o quanto mudamos, o quanto evoluímos como humanidade. A história retrata uma época em que a comunicação era feita por carta, o transporte era feito por carruagens e o beijo era só quando os dois estivessem casados.

Confesso que achei o começo um pouco parado, mas do meio ao final do livro foi uma leitura que gostei e me apeguei bastante aos personagens. É uma leitura muito gostosa e que te faz imaginar casas e roupas de época, paisagens da Inglaterra e jardins floridos!

E você, já leu esse livro ou algum outro da Jane Austen?

Preço real e consumo consciente

Existe um preço real sobre tudo que compramos. Não, não é o preço que está na etiqueta. É o preço das mãos que trabalharam para fazer cada peça.

Preço de vidas

Você sabia que a maioria das roupas que compramos são feitas por mulheres em Bangladesh que recebem cerca 2 dólares por dia? Você sabia que as indústrias têxtil são as que mais geram acidentes de trabalho por terem seus prédios em condições precárias e muitas terem desabado e matado centenas de pessoas? Você sabia que mulheres recebem 10 dólares por mês de salário em algumas indústrias da Índia para produzir roupas que vamos comprar na Hsm, Top Shop, Forever 21 e tantas outras fast fashion ao redor do mundo?

Por que estou falando isso? Porque há um preço muito maior do que os das etiquetas quando compramos um produto. Há preço de vidas que estão gastando tempo e saúde pra produzir pra nós. Há um preço bem maior.

Tem um documentário na Netflix que chama The True Cost que fala exatamente sobre esse assunto, sobre a indústria têxtil e consumo. Te garanto que te fará pensar antes de consumir qualquer coisa.

Meio ambiente

Há um outro preço que preciso falar sobre! O preço do lixo que produzimos sempre que trazemos algo pra casa.

Pensa comigo: você compra um batom. A atendente vai colocá-lo dentro de uma sacolinha pra você levar pra casa. É bem provável que ele venha em uma caixinha. Se você pagou com cartão terá o comprovante da compra e a nota fiscal. Até agora, comprando um batom, temos 4 lixos: a caixinha do batom, a sacolinha e os dois comprovantes.

Só que tem um problema: o batom acaba! E com isso geramos mais o lixo da embalagem. Percebe quanto lixo produzimos em pequenas compras?

Com as roupas temos o mesmo problema. O descarte é sempre um problema. Tecidos não são biodegradáveis na maioria das vezes e por isso o descarte se torna poluente.

Me preocupo com isso porque vejo que não temos muito limite para comprar coisas, eu também sou assim! O problema é: por que estamos comprando?

Por que alguma indústria nos vendeu que o que temos não é suficiente? Por que fomos ensinados que se está barato é melhor comprar? Por que precisamos preencher vazios com coisas?

Pode parecer muito forte falar tudo isso mas a verdade é que há um preço em tudo que compramos. Um preço muito maior do que o que pagamos.

Um preço pela destruição da natureza, um preço das mãos que trabalham na produção, um preço de preencher nossos vazios com coisas, com compras.

Te convido hoje a fazer uma reflexão sobre o que você realmente precisa e sobre o que você acha que precisa. Sobre o quanto de lixo você já produziu até agora e mais: sobre o quanto isso te preencheu.

Consumo consciente

Consumo consciente não é parar de comprar coisas mas sim entender que tudo que eu compro tem um preço maior por trás e por isso eu preciso escolher bem o que comprar.

Consumo consciente não é sobre poder ou não poder comprar, sobre banir marcas ( e isso é necessário pra ajudar na erradicação do trabalho escravo), não é ter no guarda roupa a paleta de cores: branco-cinza- preto. Mas é entender que o que temos não pode nos possuir. O que temos não pode ser mais essencial do que o que somos.

Tudo que temos vira LIXO! Nossas peças favoritas, nossos eletrônicos, roupas caras ou baratas, uma hora tudo vira lixo! E aí, pra onde vamos mandar todo esse lixo? Qual será o impacto dele no mundo e no planeta? Será que há meios de colaborarmos pra diminuição de lixo no mundo?

Se a resposta foi sim, então você entendeu o que é consumo consciente.

É normal se sentir perdido

Ao menos isso é o que repito pra mim mesma toda vez que me sinto um pouco perdida, e posso dizer que não são poucas as vezes. Apesar de saber que Ele é o caminho, a verdade e a vida ( João 14:6) e isso já nos dá um lugar seguro que é Jesus.

“Respondeu Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.”

Mas mesmo assim, é possível que o sentimento de incerteza seja presente e sabe, é normal. Não somos desse mundo. Muitas coisas daqui não fazem sentido porque esse é só um tempo, uma passagem pra algo maior e melhor que é a eternidade ao lado Daquele que nos criou. Estamos aqui, mas não somos daqui. João 15 nos fala que se fôssemos daqui, seríamos amados pelo mundo, mas não somos. Fomos resgatados.

“Se vocês pertencessem ao mundo, ele os amaria como se fossem dele. Todavia, vocês não são do mundo, mas eu os escolhi, tirando-os do mundo; por isso o mundo os odeia.”

Por saber essas coisas, prefiro acreditar que é por isso que volta e meia o sentimento de não pertencimento aparece. Por, de fato, não pertencer. É louco, mas é real. A gente passa a vida toda falando “não levamos nada dessa vida” mas trabalhamos incansavelmente para ter coisas aqui. Nosso tempo é, quase que totalmente, voltado para as coisas terrenas. As atividades daqui, os compromissos, o dinheiro.

Não se prenda aqui.

Por mais que o sentimento possa ser sufocante e por vezes desgastante, às vezes é necessário entender que isso faz parte da experiência de viver como estrangeiro em uma terra. Essa terra não é nossa e esse não é o nosso lugar. Da mesma forma que o povo foi estrangeiro ansiando a terra prometida, assim somos nós esperando o dia de estar com Deus.

“Amem os estrangeiros, pois vocês mesmos foram estrangeiros no Egito.”
Deuteronômio 10:19

Aprenda a entender seus sentimentos e entenda que alguns deles não tem causas terrenas e sim celestiais. Assim acontece também com o nosso senso de justiça. Ele de fato não é nosso. Porque nós não somos justos, mas Deus é. Então Ele gera justiça em nós. Percebe como somos movidos a pensamentos dos céus quando estamos sendo um com o Autor da Criação?

Abrace o seu não pertencimento. Você não é daqui e um dia nos encontraremos na eternidade! <3

Eu não moro mais em mim – venda online

Estou muito feliz de contar que já é possível comprar meu livro na internet!

A maioria deve saber que escrevi um livro de Tcc. Se você não sabe, é só clicar aqui. Também dá pra ler os outros posts sobre o lançamento e o prefácio aqui no blog!

Mas o que eu quero é falar é que estou muito feliz com a maneira como as coisas estão fluindo e vocês estão se interessando pelo livro! Eu já falei algumas vezes que ele faz parte do meu chamado específico com Deus, aquilo que eu creio que o Senhor me chamou para falar sobre nesse mundo!

Eu estou bastante feliz que além das vendas no dia do lançamento e também quem pegou o livro comigo de alguma maneira, agora eu consigo vender pra qualquer lugar do Brasil e ainda com um precinho muito bom!

Venda online

Eu percebi (graças a Deus, amém) que muitas pessoas estavam querendo comprar meu livro mas de certa forma isso se tornou muito difícil quando eu vi o preço do frete pra todo Brasil. Porém, consegui uma maneira de baratear tudo e ficar bom pra todos nós! hahha

O livro pode ser comprado pelo link do Pag Seguro e o pagamento pode ser feito por cartão ou por boleto bancário! Outra coisa boa é que esse valor de 35 reais inclui o preço do frete pra todo Brasil!

Outra coisa importante falar é que se você quiser presentear ou quiser um recadinho especial, pode me mandar um e-mail falando que aí eu sei o que fazer!

Era essa notícia que eu queria dar! Então se você tem interesse no meu livro-reportagem sobre transtornos alimentares e padrões irreais de beleza, é só comprar pelo link ( https://pag.ae/7UvXC1BxK ). Mas já te aviso: se prepare para um livro cheio de histórias reais, fortes e impactantes!

Também não esqueça de me marcar no instagram (@hellougabizinha ) se for postar algo sobre o livro ou de me falar depois o que achou! Tudo é muito bem vindo <3

 

O amor vem devagar o resto é pressa

O amor vem devagar o resto é pressa. É isso, só isso.

Se causa turbulência, se causa bagunça, confusão e você não sabe como agir não é amor, é carência. Amor nunca vem pra causar dúvida, ele é um tiro certo, uma faca com a cerra afiada, uma verdade absoluta – mesmo que toda verdade seja absoluta e não dê pra ser verdade pela metade. Mas acontece é que a vida tá cheia de pessoas pela metade, de meias verdades, meios amores e quase certezas. Isso não é amor, é pressa ou desespero.

Pressa de não dar tempo e desespero de nunca encontrar alguém que seja sua verdade absoluta. Mas só tem esse medo quem não sabe ser sua própria verdade, quando você sabe quem é não precisa de outro ser humano pra te validar como pessoa, como amor. Essas coisas aí, de ter pressa, de amores que bagunçam servem pra quem não sabe o que quer ou não quer nada por enquanto e na verdade, até quando a gente pode aceitar ser a meia verdade de alguém? Tudo que é pressa, uma hora acaba. Até quando a gente pode aceitar ser o passatempo até ter certeza de quem não sabe nem o que é ?

O amor vem devagar.

Porque antes de tudo o amor é paciente, é benigno. Antes de tudo, o amor se alegra com a verdade e sem ele nada é possível, o amor é a maior de todas as coisas. O amor vem devagar. O amor vem devagar porque vem aos poucos. Conquista seu espaço com o intuito de não ir embora – mesmo que um dia vá. E tá tudo bem! Não é só porque acabou que não era amor, algumas coisas tem tempo pra durar e a maturidade nos faz entender e aceitar o tempo de tudo.

O amor é como um copo de café. Só pode ser bom se for quente. Mas ao mesmo tempo, se consumido rápido demais, queima. O amor é como um café que, aos poucos vai deixando seu gosto e esquentando. O amor, meu amor, vem devagar! Todo resto é pressa.

mulher aflita segurando as mãos

Hoje eu acordei aflita

Hoje eu acordei aflita. Foi mais um daqueles dias que minha amiga ansiedade esteve por perto. Em um primeiro momento eu pensei: estar aflita não é coisa de Deus não, o que eu posso fazer pra mudar isso?

Em uma resposta de oração Deus me disse: Tudo bem estar aflita, é que você não é daqui e as coisas desse mundo te assustam. Você está com saudade de casa.

E eu respirei aliviada: ufa, que saudade de casa. Saudade do colo de Jesus, mesmo que eu ainda O tenha todos os dias. Mas tem dia que a nossa alma grita e fica aflita não é? Mas é porque ela está cansada das coisas rasas que esse mundo nos oferece e busca pela profundidade das coisas de Deus. A verdade é que não há como viver em alegria plena nessa Terra. Porque não somos daqui, é bem simples.

Não que Deus não possa entregar felicidade e tranquilidade pro nosso coração. Mas é que as injustiças e confusões desse mundo não podem ser normais pra quem não é daqui e não se corrompe com as confusões desse mundo.

Tem dia que você vai acordar aflita.

E tudo bem desde que isso te faça lembrar que você não é desse mundo. E quando falo isso quero dizer que teu lugar é o céu não as coisas vazias que encontramos nessa Terra. Seu lugar é ao lado do Pai da criação, em um ambiente de amor e comunhão. Não a bagunça que encontramos aqui. Essas coisas não deveriam nos atrair e é por isso que nossa alma se aflige. Porque nada aqui nos é atrativo. Nossa alma não pode buscar as coisas que aqui nos são oferecidas porque daqui nada levaremos.

Não é um erro de caráter estar aflita. Não é falta de fé a ansiedade. Tá tudo bem. Você, como humana com o coração mais próximo de Deus, nunca vai entender porque as pessoas se contentam com o raso, porque as pessoas não mergulham no profundo e porque pra elas molhar só os pés é suficiente. Em Deus, em sentimentos, em sonhos.

Você nunca vai entender porque as pessoas não vivem em plenitude os sentimentos, porque elas não são sinceras e claras e porque tudo é tão mais complicado que deveria realmente ser. Mas a Bíblia diz: não vos conformeis com esse mundo. Então não se conforme com tudo que é raso de amor e de Deus.

Tudo bem se afligir.

E se seu coração se afligir, entenda que é parte do processo e que tudo bem ser humano. Porque no final das contas é isso que somos: humanos. Com sentimentos bagunçados, com dúvidas e faltas que precisam ser preenchidas com o amor de Deus. Se tudo fosse muito bem resolvido dentro do nosso coração tomaríamos o lugar de Deus e não temos nenhuma capacidade pra passar nem perto disso. Então tudo bem ser humano. Tudo bem se afligir de vez em quando. Tudo bem não entender os processos e se questionar por eles. Tá tudo bem. Você não é de ferro, você é só um filho com saudade de casa.

Mulher grávida - aborto e Cristianismo

Aborto e Cristianismo: seja luz!

É extremamente difícil unir esses dois assuntos: aborto e Cristianismo. Isso porque, obviamente, um vai totalmente contra o outro. Porém, o fato importante não é sobre concordarmos ou não com isso, é sobre como nos posicionamos. O fato é que a nossa opinião sobre os assuntos polêmicos não consegue mudá-los. Além disso, dificilmente vamos conseguir argumentar usando fatos cristãos sendo que nossas palavras disseminam intolerância e ódio. Nunca importa o que você pensa sobre o assunto, sempre importa como você o aborda.

O que quero dizer com isso? Quero dizer a forma como impomos nossa opinião mostra muito mais o tipo de cristãos que somos e se realmente estamos preocupados em levar amor pelas nações. É como dizer que bandido bom é bandido morto sendo cristão. Não faz sentido. Porque nesse momento você olha pro pecado e não pra pessoa. E pensando assim, você também merece a morte, porque seus pecados são apenas diferentes.

Aborto e Cristianismo

Esse post não é pra dizer se deve ou não ser legalizado o aborto e qual a visão devemos ter como cristãos. Vai até além disso, sabe?

Vi muitas pessoas falando por aí que quem aborta merece a morte, e aí voltamos para aquele tempo em que se paga no olho por olho e dente por dente. Tudo bem, a sua revolta pode ser a de tirar a vida de um ser indefeso, o que importa aqui é que TODA VIDA É UMA VIDA. Assim como a da mãe. O pecado dela não é maior que o seu independente de qual tenha sido o dela e qual tenha sido o seu. Mas é sempre mais fácil julgar, não é ?

Provavelmente, essa mulher tinha motivos para optar pelo aborto. É o motivo correto? NÃO! Definitivamente NÃO! 

O ódio que eu dissemino volta pra mim

Sabe o que a Bíblia diz sobre julgar? Ela diz que é INDESCULPÁVEL.

1Portanto, és indesculpável, ó homem, sejas quem for, quando julgas, porque a ti mesmo te condenas em tudo aquilo que julgas no teu semelhante. Pois tu, que julgas, praticas exatamente as mesmas atitudes. 

2Mas nós sabemos que o julgamento de Deus é de acordo com a verdade contra os que praticam tais ações. 

3Deste modo, quando tu, um simples ser humano, os julga e, todavia, praticas os mesmos atos, pensas que de alguma forma escaparás ao juízo de Deus? 

4Ou, porventura, desprezas a imensa riqueza da bondade, tolerância e paciência, não percebendo que é a própria misericórdia de Deus que te conduz ao arrependimento? 

5Entretanto, por causa da tua teimosia e do teu coração insensível e que não se arrepende, acumulas ira sobre ti no dia da ira de Deus, quando se revelará plenamente o seu justo julgamento.

 6Deus retribuirá a cada um segundo o seu procedimento.

Mas se você, que se diz cristão, dissemina ódio por essa pessoa por causa de suas escolhas, porque espera que o mundo não retribua com ódio também? O mundo é total um reflexo do que nós somos e se somos intolerantes não podemos cobrar do mundo mais tolerância. 

Se atente as suas palavras

Quando nos posicionamos sobre qualquer assunto precisamos nos posicionar em amor. É claro que é difícil falar sobre aborto e Cristianismo. Mas só conseguimos unir as duas coisas, se as nossas palavras forem de amor por todos os envolvidos. Nossa sociedade é injusta. E caso você não saiba não existe isso de “engravida quem quer”. Não que isso seja uma desculpa para abortar. Mas usar argumentos repletos de ódio e julgamento não resolvem em nada.  Além disso, eles não mudam absolutamente em nada a vida daquela mulher.

Quero te convidar a entender algumas coisas e quem sabe, olhar com mais amor também para esse assunto que envolve tanta polêmica:

Coisas que cortam o efeito do anticoncepcional: 

  • Usar remédios antibióticos.
  • Ter vômito ou diarreia.
  • Doenças ou alterações no Intestino.
  • Esquecer de tomar a pílula.
  • Consumir bebidas alcoólicas em excesso.
  • Tomar chás.
  • Consumir drogas.

Trouxe isso para mostra que nem sempre quem engravida é porque estava preparada para aquilo.  E também a maternidade não é uma escolha rápida, é para o resto da vida. Nada disso é para te fazer aceitar o aborto, porque aborto e Cristianismo dificilmente andarão juntos porém intolerância e Cristianismo também não andam. Seja diferente, fale com amor e menos ódio. Não há espaço para Jesus quando a intolerância e os julgamentos tomam conta do seu coração porque Ele é o contrário disso.

Te convido a olhar com mais amor pras pessoas e por mais que não concorde com suas decisões, abraçar ao invés de apontar. Seja luz e não trevas! Pratique a tolerância e mostre que Deus é pai e pode cuidar de todos através das suas palavras de amor e não dos seus dias de domingo na igreja. Deus é pai e ele ama. Porque você, que erra todo dia, não pode ser amor também ?

Peróla da Malhação e a mídia

No mês em que se comemora a luta pela conscientização pelos transtornos alimentares, voltamos pra esse assunto. Para contar a história da Pérola da Malhação eu ainda preciso voltar a outro ponto importante do assunto.
Bom, primeiro, como eu já falei, dia 2 de junho é comemorado o Dia Mundial de conscientização sobre os transtornos alimentares – e falar disso será importante nesse post.

No geral as pessoas acham que sabem o que é um transtorno alimentar (” – quando a pessoa não come, né? – quando come e vomita, né?”) mas a verdade é que existe um mundo muito mais complexo que isso. Primeiro de tudo: existe um mundo por trás das doenças mentais. De certa forma, quando fala-se sobre transtornos alimentares as pessoas relacionam a frescura, uma fase que logo vai passar, ou até mesmo é associado a vaidade. E como já expliquei algumas vezes nesse blog, os transtornos alimentares são disfunções na relação com a comida. Sào alterações na forma do comportamento alimentar e também na percepção corporal.

Causa surpresa dizer que a anorexia nervosa é a mais letal das doenças psiquiátricas, até mais danosa que a depressão e com prejuízo de vida que equivale à esquizofrenia. Existem pessoas com bulimia que não vomitam. E ainda que a busca por um corpo saudável pode gerar transtornos alimentares como a ortorexia ou a vigorexia.

No final das contas o que se percebe é que as pessoas entendem muito pouco sobre os transtornos alimentares. E as que entendem, ainda estão presas ao senso comum e aos preconceitos enraizados ao falar de doenças mentais.

Por que falar tudo isso? Porque eu acho sempre necessário fornecer um pouco de informação sobre transtornos alimentares e o quanto essas doenças são letais. E a maneira como falam da história da Pérola da Malhação nos faz analisar um pouco mais a maneira como é visto as doenças mentais.

A história da Pérola da Malhação

É importantíssimo falarmos sobre esse assunto na mídia. É importante promover o debate sobre todas as doenças mentais e quebrar os paradigmas que as envolvem. O que acontece é que pra isso é necessário MUITO cuidado e responsabilidade. Algo que não me parece que aconteceu nessa edição da novela. Eu não sou especialista no assunto. Mas se você me conhece ou leu a aba Transtorno Alimentar do blog, percebeu que eu tento estudar um pouco sobre isso e por isso, acabei me envolvendo muito com o assunto.

O fato é que pra fazer meu trabalho de conclusão de curso de jornalismo escrevi o livro “Eu não moro mais em mim – relatos sobre transtornos alimentares e padrões irreais.” E nesse processo o meu maior medo não era saber se eu conseguiria ou não terminar o trabalho mas sim, se ele geraria gatilho. E essa, inclusive foi uma pergunta que eu fiz para Daiana Garbin quando ela veio ao Flipoços. A Daiana e os especialistas que estavam no bate-papo me responderam que a única maneira era “não ensinando práticas”. Então, esse é um dos maiores cuidados que tenho ao falar do assunto.

Malhação tem um tratamento do tema muito parecido com 13 Reasons Why ( confira motivos para não assistir) , a série que fala sobre suicídio. O que acontece é que os dois programas geram gatilho, ensinam métodos e podem fazer com que o problema tome uma proporção maior. Há algum tempo uma novela da Globo retratou a história de uma bailarina que tinha bulimia. E a forma como a novela abordou a história fez com que o registro de pessoas com bulimia aumentasse muito. Ou seja, ensinou métodos e fez com que pessoas que já tinham propensão – seja genética ou biológica – desenvolvessem a doença como a Pérola da Malhação.

Problemas da novela

O problema dessa Malhação em tratar o tema não é só o de ensinar métodos. Ela também mostra a doença como solução.

A história da Pérola e seu problema com o corpo é muito pouco explorado até que ela tenha as crises mais graves de anorexia. Com isso, passa a ideia de que ela estava tendo esse problema naquela fase. Era uma fase e logo passaria. Muitas pessoas podem achar que de fato chegou a ser explorado esse assunto, já que no primeiro capítulo da novela a menina está desmaiada após tomar muitos remédios e seu então namorado diz que ela tinha problemas com o corpo. Quantos episódios abordaram de fato isso? Dois ? Três ?

Todo um vocabulário de um grupo de pessoas que se unem para viver a doença é exposto. Isso poderia ser bom, porque ajuda a alertar, mas ao mesmo tempo isso gera curiosidade e pra quem já busca uma “saída”pra um problema é muito perigoso.

Além disso, a novela não é NADA real. A anorexia nervosa é uma doença muito séria e ficar dias sem comer pode causar prejuízos muito sérios mas a novela dá um resultado imediato: quatro dias sem comer e você estará muito mais magra. Não é assim que funciona. O nosso organismo não reage dessa maneira e o emagrecimento é variável de corpo pra corpo. O fato é que a solução – que no caso é o emagrecimento – foi dada muito rápido. E isso pode fazer com que influencie pessoas a tentarem os métodos usados por ela, já que foram muito bem explicados e explícitos. O problema é que não é um caminho fácil de voltar. E por não chegar aos resultados de emagrecimento que a personagem chegou, a pessoas , agora munida de métodos, pode tentar por mais vezes e acabar doente.

Tratamento

O mais preocupante disso tudo: não mostra o tratamento. E de certa forma, ela melhora muito rápido. O tratamento pra transtorno alimentar, seja ele qual for, exige um tratamento de equipe multidisciplinar já que é necessário psicólogo, psiquiatra, nutricionista e muitas vezes outros médicos como cardiologista e endocrinologista entre outros por conta do dano causado ao corpo. Nada disso foi muito explicado. O que, mais uma vez, reforça a ideia de algo fácil tanto de resolver como de sair. O que é mentira.

Mas no final das contas esse é o reflexo que a mídia tem sobre esses problemas: falando é o que importa. Mas é preciso muito mais cuidado e atenção ao lidar com problemas psicológicos e metais. Exige responsabilidade e comprometimento.

É como ouvi sobre a série 13 Reasons Why: Se não é pra quem tem o problema porque gera gatilho mas também é perigoso pra quem não tem porque pode fazer com que a pessoa aprenda os métodos, no final das contas é pra quem?

A Pérola da Malhação assim como a Hannah de 13 Reasons Why são pessoas doentes. E assim como todo tratamento, precisariam passar por processos, processos longos e muitas vezes dolorosos. Talvez mais eficaz que falar sobre o tema seja cuidar para que ele não seja proliferado.

Mais que querer falar sobre transtornos alimentares na televisão talvez o interessante fosse dar mais espaço para garotas gordas, acima do peso ou com belezas diferentes do que estamos acostumados a ver nas televisões e nas séries. Imagina que revolução seria se todos os protagonistas fossem “pessoas reais”como a Rae de My Mad Fat Diary ?

 

foto mostra mistura de duas fotos em uma arte cristã

Arte cristã: Manifeste o Amor!

Por muito tempo eu vi a arte cristã como algo até meio distante. Arte pra mim era uma peça de teatro, uma pintura abstrata e uma dança contemporânea. Acredito que isso se tornou concreto na minha cabeça porque a igreja demorou a ver a arte como meio evangelístico. Não que não houvesse arte nas igrejas. Mas elas quase nunca eram autênticas. Se repetiam, eram muito parecidas e o mais longe da visão que tínhamos da arte do mundo possível. Mas qual o problema de usar o que está lá fora para tocar aqui dentro? Foi o que sempre pensei. Por que a arte da igreja não pode ser ousada, autêntica e diferente? Não seria esse o único jeito de alcançar definitivamente pessoas pela arte?

Arte cristã como instrumento

Talvez a dificuldade de trazer a arte que vemos no mundo para as igrejas como forma de manifesto cristão seja porque o conceito de arte seja muito amplo pra todos e aí, acabamos nos perdemos em o que podemos oferecer de arte nas igrejas. A verdade é que muitas coisas e filósofos tentaram definir o que arte. Platão e Aristóteles definiram arte de maneiras diferentes mas os dois englobaram quase tudo.

Porque na real arte é tudo, é sonoro, é movimento, é reflexão, é expressão, é um punhado de coisas que consegue, em perfeição, demostrar tudo que está dentro do seu coração. E bom, se dentro dele transbordar amor por Deus é isso que sua arte fará. Para entender um pouquinho mais sobre o conceito exato de arte você pode ler aqui.

O que acontece é que quando temos certeza de quem somos em Deus e do nosso papel influenciador ( tem um texto falando sobre isso no blog), tudo que sai de nós passa a ser duas coisas: arte e manifesto do amor de Deus. O que não podemos fazer é deixar de lado a arte que nosso coração inspira e expira. E nosso coração é cheio de arte e faz parte do chamado específico de Deus pra nossa vida descobrir qual a arte que há em nós que pode, de forma única e clara, manifestar quem Jesus é.

Precisamos entender que tudo arte. Eu descobri que a minha maior arte tem a ver com a escrita assim como com a fotografia. Tem gente que desenha bem, canta bem, dança bem, faz artes manuais enfim, há um pouco de arte em cada um de nós.

E por que eu acredito que a igreja ainda tem uma barreira com a arte?

Porque eu acho que poucas pessoas ousam em suas artes pra Deus. A igreja tem medo de ficar parecida com o mundo enquanto tudo que há foi criado por Deus, então antes de ser “do mundo”é Dele. A música não é do mundo. Nem as fotografias, os textos, as pinturas. Também não são os filmes, as peças de teatro, os trabalhos manuais. Nada é do mundo, tudo é de Deus. Precisamos tomar como nosso aquilo que foi dado por Ele.

Esse texto é mais pra te fazer refletir sobre a arte que há em você que pode refletir o amor de Deus e pra te fazer ser OUSADO nela. É a ousadia que faz o mundo querer conhecer Jesus. É aa loucura das coisas que Ele faz e de quem Ele é que faz as pessoas se interessarem por um amor sem julgamentos, cobranças e que de quebra ainda dá liberdade em todos os sentidos!

Se é a loucura que atrai – e convenhamos que é bíblico porque “Deus fez as coisas loucas desse mundo para confundir as sábias”- seja louco também. Faça mais do que o mundo espera que “você pode fazer por ser cristão”. Saia da caixa! Vá !

Para te inspirar, fica um vídeo de um clipe da Priscilla Alcantara que tem feito ARTE PRA JESUS DE UMA MANEIRA INCRÍVEL que tem alcançado pessoas dentro e fora das igrejas. É isso que arte cristã faz: une!

 

amigo influenciador conversando sentados com um café

Influenciador ou influenciado pelo meio ?

Quem é você diante de Deus? Você é um influenciador ou alguém influenciável ?  Você é alguém que influencia as pessoas ou é facilmente influenciado por elas? Você é aquela pessoa que muda o ambiente que está ou aquela que é facilmente mudado pelo ambiente ? Você busca se adaptar aos lugares ou seus valores são imutáveis?

Por muito tempo eu fiquei presa no que poderia ou não fazer, onde poderia ou não ir. E aí eu percebi que tudo isso era medo de que o ambiente me influenciasse. De que, de alguma forma, eu me tornasse “menos cristã”. E isso acontece quando não temos certeza de quem somos, não nos enxergamos completamente refletidos em Deus e através Dele. Porque não há como diminuir o que você é, e se você é cheio de Deus e tem total certeza disso, os ambientes não te influenciam mais e sim, você se torna um influenciador dos meios. Independente de quais!

Caráter influenciador e mente centrada em Deus

O autoconhecimento é um dos principais fatores que te ajudarão a saber quem você é em Deus. Saber isso muda muita coisa. Na verdade não, saber isso muda TUDO!

Quando você descobre que, não importa onde você esteja, se souber totalmente quem é e os sonhos e planos de Deus pra sua vida, você se torna um influenciador e todo o resto não importa. Não importa lugares, pessoas, julgamentos e olhares: é entre você e Deus e ELE BASTA porque você sabe quem Ele é e quem você é Nele.

E sabe qual a diferença disso? Você não tem mais medo de ser menos cristão e nem dos olhares que possam te julgar e, muito menos, dos lugares que possam te influenciar. Você não é influenciável mais, você passa a ser um influenciador!

Vida com Deus não é sobre o que pode e o que não pode

Pare de pensar que sua vida com Deus está baseada no que você acha que pode ou não fazer. Vida com Deus não é isso, vida com Deus é relacionamento! E sabe o que é relacionamento? Relacionamento é deixar que Ele te mostre até onde ir. 

Deus é Deus de liberdade. Liberdade é não olhar pro outro e sim pra cruz. É de lá que deve vim todas as suas perguntas e principalmente suas respostas. Deus não divide as pessoas como aptas ou não para recebê-Lo, quem faz isso somos nós.

Então, abra sua mente e comece a levar mais de Deus independente dos lugares. Deixe de lado toda religiosidade que tenta te fazer sentir medo de ser menos cristão. Se você ainda tem medo de se perder, sinto em dizer que você ainda não se achou completamente Nele. Quem conhece a Deus verdadeiramente não corre o risco de se perder porque Ele é tudo que você tem!

Não devemos ter medo do mundo, precisamos ter medo de nos envolvermos em uma bolha e não ir ao mundo! Eu não consigo enxergar que pessoas que são sal da Terra e luz do mundo conseguem dar sabor onde só tem sal e muito menos iluminar em meio a claridade ( Mateus 5). É hora de ir!

Viva em abundância!

É hora de deixar preconceitos de lado e viver de verdade! Jesus veio para que tivéssemos vida e vida em abundância, como diz em João 10. Por isso, não podemos apenas sobreviver! É preciso começar a viver! Ser sal e luz onde não há claridade! Viver de verdade tendo certeza de quem nós somos. Identidade é entender a paternidade e entender a paternidade é ser LIVRE! Ah, e saber o que é ser livre ? Ser influenciador e não influenciado pelos meios!

Pare de ter medo de se perder, se encontre Nele e vai levar sua identidade pro mundo!