Ansiedade não é falta de Deus

Talvez você já tenha ouvido muito falar por aí que ansiedade é falta de Deus. Talvez você já tenha falado isso pra alguém ou talvez, no auge da sua crise de ansiedade e dos seus momentos de angústia, tenham falado isso pra você. Ansiedade não é falta de Deus.

Ansiedade não é falta de Deus

Ansiedade é uma patologia. Patologia significa doença e ansiedade é uma das doenças mentais. O problema de falar sobre doença mental é que as pessoas acham que elas são curadas com força de vontade e oração. Eu acho sim que a oração cura TODAS as coisas. Mas doenças também são curadas com tratamentos. Tratamentos também são uma forma do cuidado de Deus com a nossa vida e não é vergonha nenhuma procurar ajuda. Aliás, quando quebramos o pé, oramos pra que o osso volte ao lugar ou vamos atrás de um hospital? É exatamente isso que deve acontecer com as patologias mentais.

Deus não quer que a gente fique preso a algumas amarras só por conta da lei. Quando falo isso, quero dizer que Deus espera também que a gente tente resolver os nossos problemas com os recursos que temos em mãos e que, de certa forma, também foram entregues por Ele. Se Jesus veio pra cumprir toda lei, Ele também veio pra que tivéssemos cura.

Mas então, o que é ansiedade?

Se ansiedade não é falta de Deus, precisamos entender o que ela é. A ansiedade é, antes de tudo, uma reação normal e inerente ao ser humano. Ou seja, toda pessoa tem ansiedade. O que difere de um Transtorno de ansiedade generalizada é que o transtorno torna a vida da pessoa muito mais difícil. Ele paralisa, faz tarefas diárias e comuns parecerem muito difíceis de serem realizadas e é completamente involuntário.

Uma pessoa com ansiedade normal, ficará ansiosa em momentos que exigem algum esforço ou expectativa como apresentar um trabalho em grupo, uma entrevista de emprego, uma viagem. E isso é normal e até um sentimento bom pro corpo. O problema é quando a ansiedade não vem com um motivo aparente ou de fácil identificação.

A ansiedade ruim pode causar sintomas psicológicos e físicos, e por isso é extremamente importante buscar ajuda. Porque um dos principais problemas são as crises de pânico, que geram um desconforto gigante e um medo absurdo de lidar com as pessoas quando sua ansiedade está alta.

E como lidar?

A oração é sempre um dos principais caminhos pra resolver tudo na vida. Ela coloca o nosso coração perto do coração de Deus e gera calma, mas ainda assim é preciso buscar ajuda especializada. Se você não pode buscar uma terapia paga, algumas faculdades e prefeituras oferecem as consultas gratuitas ou com um valor simbólico e a terapia pode ser um ótimo passo. Se mesmo assim ainda não der pra buscar tratamento algumas coisas ajudam. Sabia que música reduz em 65% a ansiedade ? A Exame até fez uma matéria com as música, olha aqui. E realmente essa é uma das principais coisas que me ajudam. E hoje eu não tenho vergonha alguma de falar da minha ansiedade.

Outra coisa importante – por mais que pareça tão óbvio – é focar na respiração. Inspirar e expirar vai fazer seus batimentos se acalmarem e também fará com que você tire o foco do que você está passando e foque unicamente em respirar. Ajuda demais!

Sabe também o que é importante? Conversar com as pessoas sobre isso. Quando você tenta mostrar a todo tempo o quão perfeito é, isso te deixa ainda mais nervoso e piora ainda mais sua ansiedade por causa da pressão que você mesmo está se colocando. Quando nos tornamos vulneráveis entendemos que tudo bem não estar tudo bem sempre. Só não podemos deixar que isso seja mais constante que os momentos bons.

Última dica sobre ansiedade

Nunca fale pra alguém com ansiedade que o problema dela é falta de Deus ou de oração. Isso só vai deixar a pessoa pior por estar “magoando a Deus”. O sentimento é horrível e a gente não precisa fazer com que a pessoa se culpe ainda mais, né?

Se você quiser ajudar, não julgar já é um bom passo. Não ver como drama ou bobeira também pode fazer a pessoa se sentir acolhida e mais forte. Nunca se esqueça que ansiedade não é falta de Deus. 

Fique em silêncio

Sabe, as vezes o que  a gente precisa é simples: ficar em silêncio. E não, não é desligar os fones. É ficar mudo para o que é externo e eu, particularmente, sempre vi a música como algo de dentro. Mas o silêncio é necessário pra ouvir o que sai de dentro. Quantas vezes ficamos realmente sozinhos com quem somos? Quantas vezes olhamos pro que há em nós, sem os barulhos externos e nos sentimos confortáveis com isso?

Porque é difícil estar com a gente. 

É difícil ouvir algumas verdades dentro de nós. É difícil lidar com os nossos traumas, medos e frustrações quando ficamos sozinhos e só temos a nós mesmos. Mas no final das contas é só isso que temos: o que está dentro de nós. As coisas boas e ruins que juntas formam tudo que somos, que amadurecemos e o que ainda seremos.  Ficar com a gente é difícil porque no final das contas só nós sabemos tudo que há em nós. E só nós sabemos que não somos feitos de sentimentos bons e esperança todo tempo. Mas tudo bem. Ser humano também nos faz não ser perfeitos. E a perfeição na verdade nem tem muita graça.

Estar em silêncio é autoconhecimento.

Pra que a gente se conheça é preciso tempo, espaço e intimidade. Tem hora que só nós podemos conversar com o nosso coração, os nossos sentimentos e tudo de bonito, feio ou estranho que está em nós. Tem hora que pra que as coisas, as relações e os sonhos aconteçam como queremos, precisamos saber quais os sentimentos mais reais que existem em nós. Precisamos saber porque eles existem. Porque cada pessoa é o acumulo de sentimentos, sejam eles resolvidos ou não. Mas disso tudo, pra saber as raízes é preciso se olhar, se acolher e se escolher. É preciso silenciar o resto de vez em quando pra olhar pra dentro. Não tem nenhum problema nisso. Na verdade, é uma obrigação.

Ansiedade que habita em mim

Hoje eu acordei daquele jeito. Aquele jeito que você já sabe: a ansiedade rasgando meu peito. Aquele jeito que você sabe, me faz me isolar e me trancar em mim mesma, me faz ouvir músicas tristes e enrolar freneticamente uma mechinha do meu cabelo.

Daquele jeito que, por mim ficaria sem escovar os dentes, tomar banho, pentear o cabelo e olhar no espelho. O porquê de tudo isso? É que a minha velha conhecida, ansiedade, decidiu aparecer pra uma visita. Tem dias que a visita é rápida mas consegue fazer um grande estrago, causar um belo desconforto próprio da amiga de anos. Tem dias que ela dura o dia todo, desde o café da manhã até os sonhos conturbados e aí, você vai aprendendo a viver. Não se torna mais fácil mas vez ou outra não é uma escolha.

Mas tudo bem ansiedade, eu penso.

Só que às vezes nem está tão bem assim. Mas eu tenho que fingir pra mim até acreditar e vai ter uma hora que eu vou acreditar. E vai ter uma hora melhor ainda: a hora que eu vou mandar a ansiedade embora. Vou dizer pra ela que não tem mais espaço aqui. Dizer que ela não pode ficar no meu estômago junto com todas essas borboletas que ela me traz. Dizer que eu não quero mais essas mãos frias e as náuseas da sua presença.

Também vou dizer que não quero ficar triste sem saber o porquê. Hoje não. Quem sabe amanhã? Mas hoje não. Hoje não vai ter espaço pras músicas tristes e pra vontade de ir correndo pro banheiro chorar, mesmo que eu não saiba o motivo. Hoje não. Amanhã quem sabe? Mas hoje não vai dar.

Se bem que hoje eu acordei daquele jeito que você já sabe… Então me desculpe se, por um momento, eu passar mais tempo com essa amiga e olhando pra dentro de mim do que enxergando o mundo lá fora. É que hoje acordei daquele jeito que você já sabe.

Transtorno alimentar: será que eu tenho?

A primeira coisa que precisamos explicar é: você realmente sabe o que é transtorno alimentar?

Talvez pra você distúrbio alimentar seja gracinha de umas meninas magras que querem ficar mais magras ainda. Mas não, isso não é transtorno alimentar. Transtornos alimentares são doenças mentais que fazem pessoas terem uma distorção de sua própria imagem. Uma distorção tão grande que as fazem odiar tanto seu próprio corpo a ponto de puní-lo de alguma forma.

Seja parando de comer (anorexia), ou seja colocando a comida pra fora através de vômitos autoinduzidos, medicamentos, diuréticos, enfim (bulimia), os transtornos alimentares são marcados pela insatisfação corporal profunda e a má relação com a comida. Mas são uma complexa ligação de diversos fatores, sejam sociais, biológicos ou psicológicos. 

Como perceber se você tem um transtorno alimentar

O primeiro passo é se perceber. Quanto a sua preocupa com seu peso, seu corpo ou sua alimentação te impedem de fazer tarefas do dia a dia, sair de casa e todas essas coisas? Se isso estiver te paralisando, deprimindo e te fazendo ficar isolado é hora de procurar ajuda.

Outra coisa importante é nunca se autosabotar e se autodiagnosticar. Nós só conseguimos saber se realmente temos alguma doença  um problema, quando procuramos ajuda especializada. Assim como é normal procurar um médico quando se está com dor de cabeça, tudo bem procurar um psicólogo quando o problema é uma doença mental. As doenças mentais podem causar danos muito mais graves que as doenças físicas.  Por isso é importante quebrar aquele tabu que as pessoas tem com psicólogos, psiquiatras e todo esse tratamento terapêutico. É impossível salvar a saúde física quando a mental não está em dia.

Má relação com a comida

Um dos primeiros sinais que você tem um problema alimentar é uma má relação com a comida. A má relação com os alimentos começa com pequenos sinais: restrição por medo de engordar, culpa depois de comer, muito medo de engordar principalmente por contas de alguns alimentos como doces, carboidratos e frituras.

Isso porque em uma construção social nada boa, as pessoas impõem que comer esses alimentos “engorda”. Na verdade uma pessoa precisa de cerca de 7 mil calorias a mais do que o que ela come normalmente em um dia pra engordar. Os alimentos não tem nenhum poder “engordativo”.  Nosso próprio corpo se encarrega da metabolização e da queima de caloria com coisas do dia a dia. Se isso começa a ser um problema pra você, te impede de sair de casa e fazer coisas básicas da sua rotina como simplesmente levantar da cama, é hora de buscar ajuda!

Se tiver dúvidas, procure ajuda!

Os transtornos alimentares podem ser doenças muito sérias e exigem muito cuidado apesar de ainda terem um espaço muito pequeno na mídia. Se você acha que sua relação com a comida e com o corpo é muito conturbada e isso tem afetado a sua vida, procure ajuda! Em quase todas as faculdades que oferecem o curso de psicologia os atendimentos são gratuitos ou de valor simbólico. Eu não pretendo me calar sobre assunto e acredito que, quanto mais falarmos sobre isso, mais chances de busca por tratamento e cura teremos. Então, estamos juntos nessa jornada!

Jesus, que Te vejam em mim

Entre todas as coisas que eu aprendi sobre Jesus, eu aprendi que ser como Ele é ser tolerante e ver beleza nas coisas. Ser tolerante pra entender que cada um é único, diferente e que merece ser amado exatamente por isso.

Ver beleza nas pequenas coisas pra parar de buscar os grandes milagres de Deus e começar a enxergar os milagres diários, que a gente nem vê. Porque bonito mesmo é aquela plantinha que nasce e colore a terra. Bonito mesmo é o por do sol que ilumina o cinza da cidade. Bonito mesmo é ver o sorriso de Jesus no rosto das pessoas… bonito mesmo é enxergar um pedacinho Dele cada vez que se olha pro céu porque Ele está em tudo, Ele é tudo. Tudo. Aquele amor que se mostra nas coisas pequenas que na verdade, são tão grandes, tão complexas e tão Dele. Aquele amor que te conhece em profundidade e que não desiste de te amar quando você erra.

JESUS, TE VEJO AQUI, QUERO QUE VEJAM VOCÊ EM MIM TAMBÉM 💚🍃

Deus, que é pai

Eu tenho aprendido muito de Deus. E o que eu tenho mais aprendido e ouvido Ele me falar é que ele é pai. Paizinho, que te pega no colo e te guarda. Que te escuta, te acolhe e te ama. Que te repreende quando é preciso porque o amor está restritamente ligado a repreensão. Ninguém quer ensinar ou fazer melhor alguém que não ama, acredita e tem cuidado.

Ele é pai que não te julga- quem faz isso são os homens santos –  e que quer tornar seu fardo mais leve e suportável. Ele é pai presente, onipotente e amável. Não, Ele não é aquele Deus mandão e bravo que te vê como servo.

Aliás, essa nunca foi a maneira como Ele te viu. Ele te vê como filho. Sabe qual a diferença? O servo faz por obrigação enquanto o filho, por amor. De obrigações, Ele não precisa nenhuma mas de amor, ah, Ele precisa de amor. Ele precisa de amor porque antes de tudo Ele te ama e tudo que é recíproco é melhor né? Ele é o próprio amor.

Deus não é aquele cara chato que te obriga a ser alguma coisa pra ser aceito por Ele, isso quem faz é a religião. Deus é aquele paizão que te ama do jeito que você é e te deixa livre pra descobrir sua identidade. Hoje muitas pessoas se afastam porque nós mostramos mais um Deus que julga que um Deus que ama. As pessoas conhecem mais o Deus autoritário do que um Deus de amor, cuidado e provisão. As pessoas se afastam de Deus e da igreja porque são as coisas que elas não querem ser. Quanta responsabilidade temos em criar nos outros um conceito de Deus que nunca existiu e nunca vai existir.

Isso não é o que Ele é, é o que nosso julgamento em relação ao outro cria para que a gente se sinta um pouco mais espiritual. Deus, sobre todas as grandes coisa que é, é pai. Pai que, não importa quantos erros a gente cometa está esperando de braços abertos, só para ser pai mais uma vez.

CINCO MOTIVOS PARA DESEJAR FELIZ DIA DAS MULHERES

Hoje, dia das mulheres, é importante relembrar algumas coisas que fazem ser tão necessário parabenizar mulheres por uma coisa que deveria ser simples: SER MULHER! Sem dúvidas, não é uma tarefa fácil. Então confira 05 ( pra não escrever  uma tese) motivos para você parabenizar as mulheres da sua vida.

  • As mulheres ainda não têm os mesmos cargos que os homens. Segundo das últimas pesquisas, somente 37% das mulheres tem cargos de chefia. Porque? Bom, os motivos são vários – e os mais toscos possíveis – mas entre eles está que mulheres engravidam e logicamente, tiram licença maternidade. O mais bizarro disso é que se a mulher não tem filho ela é cobrada pela sociedade. Como entender?
  • Não dá pra sair de casa com qualquer roupa. Talvez para os homens seja fácil um dia de calor: põe uma bermuda, uma regata e sai. As mulheres enfrentam muitos problemas quando colocam um short, uma regata e saem. TEMOS MEDO DE SAIR NA RUA. Porque muita gente – homens- pensam que uma mulher merece ser estupradas porque não se portam ou se vestem como eles acham que é o ideal. (?)
  • Não podemos sair de noite e muito menos andar sozinhas. Mais uma vez, para o homem é fácil: precisa sair de casa à noite sozinho para ir em uma farmácia no outro quarteirão? É só ir. Mas as mulheres TEM MEDO de sair sozinha e é importante saber que sair sozinha é ~sem um homem do lado~porque não importa quantas garotas estejam do seu lado. Sempre vão falar: “ Olha, três mulheres sozinhas à noite!” sendo que na verdade não. São três mulheres. Elas não estão sozinhas. E também não estão seguras.
  • As mulheres trabalham e lutam o dobro. Precisam trabalhar, cuidar da casa, dos filhos, fazer comida, serem amigas, mães, esposas… Precisam provar muito mais coisas que o homem já tem direito só por ser homem. Exemplo: um marido que não lava a louça por ser homem. Bom, nunca conheci uma mulher que não lave a louça por ser mulher.
  • Os padrões de beleza são muito mais extremos e restritivos para as mulheres que para os homens, tanto que, apesar de ter homens com transtornos alimentares a proporção de garotas com transtorno alimentar é de 4 garotos para 6 garotas nos últimos anos, sendo que essa proporção já foi de 1 garoto para cada 9 garotas com algum distúrbio alimentar.

    Deu pra entender né amore?

Bom, para entender melhor esses dados, os tópicos estão com links clicáveis que podem te ajudar a estudar mais sobre isso!

WAKE ME UP WHEN PATRIACHY ENDS!

FELIZ DIAS DAS MULHERES PARA TODAS QUE LUTAM, SOMOS UMA, NÃO CONTRA, MAS JUNTAS!

ESPECIAL – GLOBO DE OURO

Moda é protesto!

O Globo de Ouro que premia os destaques da televisão e cinema foi palco de protesto contra o assédio sexual

Por  Gabrielle Barbosa

Está muito enganado quem pensa que moda é apenas sobre qual roupa usar. Moda é a forma de manifestação cultural de um povo, já provava a estilista francesa Coco Chanel quando criou as primeiras calças de alfaiataria e fez a sociedade ficar louca com sua rebeldia já que as mulheres só podiam usar saias e vestidos. Gabrielle Bonheur Chanel, lá nos anos 1913, tentava proporcionar às mulheres os mesmos direitos dos homens: o de usar calças. Sabe-se que hoje, as mulheres ainda buscam seu espaço na sociedade e mais que isso: tentam mostrar que não só tem espaço como também tem vontades, escolhas e tem voz. É a partir dessa ideia que surge o protesto no Globo de Ouro.

 

Time’s Up

Na 75° edição do Globo de Ouro, evento que celebra os melhores da televisão e do cinema norte-americano, as atrizes que cruzaram o tapete vermelho decidiram fazer um protesto chamado de Time’s Up ou “o tempo acabou” em português. O movimento é um fundo de defesa legal que já arrecadou milhões para dar apoio subsidiado a mulheres e homens que foram assediados em seus ambientes de trabalho.

Todas as indicadas à premiação estavam de vestido preto para atrair um olhar contra o assédio sexual e a discriminação em Hollywood e todo o mundo. No último ano, os casos de abuso sexual por parte de produtores, executivos e até atores se tornaram públicos e geraram movimentos para que as vítimas não se sentissem envergonhadas ou amedrontadas ao denunciar o assédio.

Tiffany & Co

A marca de jóias Tiffany & Co se comprometeu em um comunicado à imprensa a doar uma quantia em dinheiro para o fundo por cada celebridade que usou suas peças.

Gal Gadot usou brinco Tiffany & Co de 730 mil reais

LOOKS

Confira agora alguns looks total black – e nem sempre convencionais – que abrilhantaram a campanha e o tapete vermelho:

Angelina Jolie ousou de Atelier Versace. A atriz misturou transparência e plumas em um modelo todo esvoaçante.

Katherine Langford, indicada para o prêmio de melhor atriz com Hannah, de 13 Reasons Why compareceu ao evento com nada mais, nada menos que um vestido Prada.

Millie Bobby Brown, a atriz mirim de Stranger Things escolheu um modelo assinado pela marca Calvin Klein. Millie Bobby usou um vestido com volume na parte superior e mais ajustado – e curto – no resto do corpo. 

 

 (Photo by Jordan Strauss/Invision/AP)

Emma Stone escolheu Louis Vuitton. O vestido da atriz mistura tendências: corte geométrico, renda e transparência em uma produção de sucesso.

Kendal Jenner, escolheu um modelo de Giambatista Valli. O vestido mullet é para mulheres ousadas, como é o caso da irmã Jenner. Kendal escolheu volume e elegância para o look do Globo de Ouro.

P.S: esse texto eu fiz pra publicação da 16 edição da Revista Opaua de Poços de Caldas.

Quando conheci Daiana Garbin

Lembro-me com clareza quando comecei minhas primeiras tentativas de contato com a Daiana. Comecei a mandar várias mensagens no Instagram, no auge da minha ansiedade por resposta. Pra minha surpresa alguns dias depois ela respondeu pra que eu mandasse um e-mail, assim era mais fácil pra que a gente pudesse conversar.

Mandei um e-mail explicando que eu estava fazendo como TCC um livro-reportagem sobre transtornos alimentares e queria ter uma entrevista dela no meu trabalho. É claro que a espera pela resposta quase matou! Mas permaneci firme e dias depois tive minha resposta: Daiana estava me mandando o endereço de seu escritório em São Paulo pra que a gente pudesse conversar. Desde aquele momento, meu coração já estava disparado. Nosso encontro seria dali alguns dias.

Daiana Garbin representava uma força a mais para o trabalho que eu estava fazendo. Desde que comecei minhas pesquisas, uma das primeiras pessoas que achei na internet como influenciadora sobre o assunto, foi ela. Eu me inspirava nela. Ela era jornalista e eu estava me esforçando para também me tornar uma.

Chegando em São Paulo

Eu planejei tudo: chegaria a São Paulo, pegaria dois metrôs, um Uber e estaria no prédio do escritório dela. No final das contas, consegui uma carona e acabei chegando muito mais cedo que imaginava e acabei indo para o shopping para passar um pouco do tempo e para tomar um café que pudesse conter toda minha ansiedade. Preciso confessar que o café não deu conta de cumprir essa função e que cada vez que eu olhava no relógio meu coração batia ainda mais rápido – coisa que eu achava não ser mais possível…

Não posso negar que eu estava com medo: medo de me enrolar toda e não conseguir fazer as perguntas que eu precisava para produzir um capítulo inteiro do meu livro, medo de que as perguntas não fossem assim tão interessantes, medo de que ela fosse seria e respondesse muito brevemente as questões, medo de milhares de coisas… Mas eu ia com medo mesmo. Isso já havia sido decidido antes que eu saísse da minha cidade.

Como o shopping era pertinho do prédio de seu escritório, resolvi pedir meu uber pra chegar até lá meia hora antes. Era tempo de sobra, já que em São Paulo o carro não demora nem 5 minutos para estar na sua parada. Doce ilusão! Meu uber estava perto mas não sei o que arrumou e começou a ficar cada vez mais distante do ponto que eu estava, me deixando ainda mais nervosa. Precisei cancelar aquele pedido e refazer. O meu motorista chegou bem rápido mas até aí tínhamos 10 minutos para que eu chegasse pontualmente no lugar e no transito de São Paulo, não era uma tarefa muito fácil.

No percurso – e auge da minha amiga tão grudada, ansiedade – contei toda história do meu TCC para o motorista do uber, falei que estava indo entrevistar a Daiana Garbin, que estava me formando em jornalismo… Naqueles minutos, mesmo sem me fazer uma pergunta o rapaz soube de toda minha vida profissional. (Aquele grande beijo pra ansiedade que não deixa a gente ficar quieta.) Alguns minutos depois, estávamos no endereço procurado. O rapaz me desejou boa sorte, sucesso e eu dei nota 5 para ele só por ter me aturado com um sorriso no rosto e desci do carro.

Entrei no prédio, fui até a recepção e avisei que estava indo no escritório da Daiana. A moça pediu minha identidade para ter certeza que eu era a Gabrielle que estava autorizada a subir. No elevador liguei o gravador porque sabia que estaria nervosa demais- na verdade já estava- para me lembrar disso.

O encontro com Daiana Garbin

A porta do elevador abriu e eu andei alguns passos até chegar na porta que deveria. Toquei a campainha. Daiana Garbin abriu a porta com um sorriso tão grande e me abraçou forte. Bom, naquele momento não senti mais medo. Ela disse que meu cabelo era bonito e eu falei que ela era maravilhosa. Ela deu um sorriso e perguntou se eu aceitava um café. “Ora Daiana, miga querida, eu nunca recuso um café”, foi o que eu pensei mas só dei um sorriso e respondi que aceitaria.

Daiana me perguntou se eu era da cidade que tinha um doce de leite gostoso, eu respondi que sim e disse que da próxima vez levaria um pra ela.

Tivemos uma longa conversa de quase duas horas, suficientemente completa e rica em detalhes para que eu pudesse escrever o capítulo do  meu livro. Dividi coisas íntimas e acredito que ela também tenha me contado coisas com o coração. Agora espero ansiosamente para o dia do nosso segundo encontro: na Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas. Dessa vez, nós duas teremos um livro: eu estarei com o dela e ela ganhará um meu. Momentos assim enchem o nosso coração de coisas boas! A palavra que fica é sempre gratidão. Me sinto grata por viver experiências que só o jornalismo pode proporcionar!

 

Graça: amor imutável

Você já parou para pensar o que é a graça de Deus? O que é “favor não merecido”? É saber que não tem motivos, eu não faço o que deveria, mas Deus me ama! Não por quem eu sou mas por quem Ele é! Não porque eu mereço, mas porque o amor do Pai, é incondicional, não olha as minhas fraquezas, não aumenta e nem diminui.

                NÃO AUMENTA E NÃO DIMINUI NÃO IMPORTA O QUE EU FAÇA.

É amor real, que pega no colo e como um rugido de leão se faz presente em qualquer ambiente. Isso porque você já viu um pai que ama menos o seu filho quando a criança o desobedece? Não, o amor do pai não diminui nem com a rebeldia porque o amor real ama a todo tempo, é paciente e benigno como diz a Bíblia.

Dia desses uma senhora me falou que achava que Deus estava triste com ela e estava a amando menos porque, presa em uma depressão, tinha dias que não conseguia ir à igreja. O que eu fiz foi falar para aquela mulher que não importava o que ela fizesse, o amor de Deus não mudaria. Se ela fosse na igreja todos os dias, uma vez no ano, se ela fosse pastora ou se ela nem se lembrasse de orar: o amor de Deus permaneceria intacto e inabalável. É claro que um pai se alegra quando o filho o visita e a casa de Deus é a igreja mas se o filho não pode ir até sua casa, seu amor não diminui.

Fomos educados a acreditar em um Deus condicional e muitas vezes, mutável. Que nos ama dependendo do que fazemos, dos cargos que temos e do nível de intimidade que temos com Ele. Mas esse não é Deus de verdade. Deus é o Senhor da Graça e a graça não precisa de motivos para existir. Deus apenas é. Deus apenas ama. Independente do que eu faça, continua igual. A toda criatura. Isso é graça: favor não merecido, amor imutável. Deus apenas é. Deus apenas ama. Amor constante que não precisa de motivos, de provas. Deus apenas é. Deus apenas ama.