Flipoços: Feira do Livro de Poços de Caldas

Hello hello, já cheguei querendo contar da Flipoços 🙂

Esse ano vou acompanhar de pertinho a Feira do Livro de Poços pra trazer as melhores entrevistas, dicas e momentos para vocês!

MANO, esse ano vai ser surreal por vários motivos e um dos principais – pra mim- é que a Daiana Garbin estará em Poços! Pra quem não sabe, eu fiz um livro reportagem sobre transtornos alimentares e para fazer esse trabalho eu entrevistei essa maravilhosa! Pra quem não conhece  a Daiana Garbin, preciso te deixar dois links para conhecer mais sobre o trabalho dela: um é do site Eu vejo   o outro link é do Youtube ( e é muito maravilhoso!)

Mas e o Flipoços 2018?

Tá, tirando isso vamos falar um pouco mais da Feira do Livro!

Esse ano, o Festival Literário Internacional de Poços de Caldas terá como patrono Davi Arrigucci Junior. O tema deste ano será: “A literatura & os outros saberes” e acontecerá entre os dias 28 de abril e 06 de maio no Espaço Cultural da Urca!

Davi Arrigucci é crítico literário nascido na nossa vizinha, São João da Boa Vista. Foram a  proximidade com Poços e seus destaque no cenário literário que o fizeram o patrono da 13ª edição do Festival!

Arrigucci é professor aposentado de teoria da literatura da Universidade de São Paulo (USP) e autor dos livros O escorpião encalacrado (sobre Julio Cortázar), Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel BandeiraO cacto e as ruínas(sobre Manuel BandeiraMurilo Mendes e o modernismo brasileiro) e Coração partido (sobre Carlos Drummond de Andrade). Recebeu o Prêmio Jabuti pelo melhor livro de ensaios de 1979 (Achados e Perdidos) e o Prêmio APCA de 1987(Enigma e Comentário).

Trabalha atualmente na realização de uma trilogia de ensaios sobre as relações entre narrativa e experiência histórica na obra de três narradores: João Guimarães Rosa, John Ford e Jorge Luis Borges, sob o título geral de “Sertão Oeste Pampa”. Memórias e reflexões sobre este novo projeto intelectual vão ser matéria da palestra inédita que o professor Davi Arrigucci Jr. realizará no Flipoços no próximo dia 29 de abril, às 19h30, no Teatro da Urca em Poços de Caldas.

Para saber  mais!

Para saber mais sobre as atrações e dicas desse festival é só ficar de olho aqui no Blog!

Little boy blue

Você sabia que todo ano uma paleta de cores é criada para marcar as tendências do ano que se segue? Pois é, todos os anos algumas empresas de vários seguimentos se juntam para um estudo de cores que serão tendência no próximo ano inteiro. Essas tendências guiam o ano nas áreas da moda, arquitetura e decoração.

As cores são inspiradas nas passarelas da Semana de Moda de Nova York, o NY Fashion Week. Os tons que se destacam em mais desfiles e também com os designers de moda mais renomados são indicadores da próxima tendência em todos os ramos da arte. Se prepare para ver as cores PANTONE – a marca que cria e registra as cores, e que criou, por exemplo, o Azul Tiffany, da marca de jóias Tiffany & Co – em absolutamente todos os lugares: as cores vão aparecer nas decorações, nos desfiles, nas novas coleções, nos esmaltes, nas maquiagens, nos casamentos e em tudo que tiver um toque de arte!

Beleza, mas vamos falar dessas cores? Para começar vamos falar de uma tendência que é uma das minhas cores favoritas da paleta desse ano: o Azul “Little boy blue”!

Azul céu com toque lilás

Esse ano a marca responsável pela criação das principais cores da coleção Primavera-Verão 2018 lançou a cor Little boy blue. A verdade é que o azul, em todos os seus contrastes sempre conquistou passarelas, mas ele aparece agora em um tom de azul claro com um toque de lilás.

A cor tem como código Pantone16 -4132 e sugere expansividade para todos.

Você precisa de inspirações? Então olha isso:

Uma carta à Veja

Querida Veja,

Revista Veja, venho por meio deste texto ajudá-la a perceber seus erros na matéria “Jovens usam códigos para promover a anorexia na rede”. Como jornalista e estudiosa sobre transtornos alimentares me sinto obrigada a falar sobre isso.

O primeiro ponto que devemos tratar é que, eu sei que não é comum falar sobre transtornos alimentares. Problemas mentais em geral são difíceis de serem abordados  e por isso, exigem estudos ainda mais aprofundados sobre eles. É preciso conhecer sobre transtornos alimentares e entender o que são a anorexia e a bulimia, foco da matéria. Bulimia não é só vomitar depois das refeições. Mas sim, qualquer ato purgatório com o intuito de eliminar o alimento do seu corpo por causa da culpa. Existem outros métodos além do vômito e são tão sérios e graves quanto.

Outra coisa, a exposição das hashtags dessa maneira pode gerar curiosidade, busca e acabar com meninas e meninos (porque eles também existem) que já tem algum problema com a autoimagem, desenvolvendo algum transtorno alimentar. ( Que também não se resumem em anorexia e bulimia.)

Último recado

O que escolhi deixar por último porque foi o maior caso de irresponsabilidade que encontrei na matéria foi o fato de MENCIONAR o nome do remédio que é o mais usado para o emagrecimento. Vamos falar sobre ele… É um remédio usado para bronquite mas que acelera o metabolismo e faz que aconteça a perca de peso. Além da irresponsabilidade de colocar o nome do remédio – em evidência duas vezes – ainda foi colocado um print que mostra com clareza onde comprá-lo e o preço. Ah, acho importante falar que esse remédio deveria ter a venda proibida porque tem uma lista gigantesca de contraindicação, sintomas e tem grande risco de causar parada cardíaca.

Que incrível, querida Veja! Facilitando a vida de quem não conhecia e queria comprar mas não sabia onde, hein? Olha, eu sei que é difícil falar sobre transtornos alimentares e não gerar gatilho, incentivo ou fornecer dicas mesmo que sem intenção… Mas o que se vê nessa matéria é praticamente um tutorial de como não expor a doença. Esse, definitivamente, não é o caminho para colocar o assunto em pauta!

Tudo bem, meu bem

Meu bem, tudo bem se você quiser vir, tirar tudo do lugar, bagunçar cada pedacinho e ir embora. Tudo bem se você sumir por alguns dias. Tudo bem se você não responder porque haverá vezes que eu não responderei também.

Meu bem, tudo bem se você prometer o mundo, fazer planos pro futuro mas não estiver aqui no outro dia.

Tudo bem se você me fizer pensar que as coisas podem dar certo e no instante seguinte me fizer acreditar que é melhor deixar como está, ou as vezes, não estar nada. Tudo bem se você me deixar louca porque eu sei que te deixo louco também. Tudo bem se você me deixar com vontade de rever todos os meus conceitos e pensar em nós para redefini-los.

Tudo bem quase qualquer coisa. Tudo bem porque você me fez sentir a vida em mim de novo. Tudo bem porque você me mostrou que o mundo é um lugar que vale a pena desde que você tenha um colo para correr de vez em quando e um coração pra desabafar. Tudo bem porque no meio dessa bagunça toda tem você. Tudo bem porque no meio dessa bagunça toda tem as nossas risadas e até as nossas brigas que terminam sempre em um elogio pra me deixar sem graça. Tudo bem porque você me deixa com borboletas no estômago e não me lembro de ter sentido isso muitas vezes. Tudo bem porque você me mostra que as coisas não precisam ser perfeitas para serem reais e nem serem eternas para serem lembradas.

Tudo bem porque você me ensina a viver meio que em queda livre sem saber o que me espera quando chegar no chão. Tudo bem porque eu continuo acreditando que conheço um lado do seu que ninguém conhece. E isso te faz um pouquinho mais meu. Sabe, tudo bem. Tudo bem, meu bem.

Estou pensando em ir embora

Estou pensando em ir embora. Já fiz e refiz vários planos, me encontrei em vários sonhos e continuo aqui, com os pés presos ao chão. Mas sabe, eu ainda vou. Ainda vou porque de tudo que eu já quis, e olha que não foi pouca coisa, ir é uma das coisas que eu não deixo de querer.  Pra ir é preciso coragem e é coragem que me falta às vezes ou quase sempre.

Ainda vou ir embora para  morar numa casinha na praia e ver cada por do sol de frente pro mar.

Não vou me preocupar com dinheiro e nem com a roupa que estou vestindo. Minha maquiagem vai ser o queimado de sol. Vou comer frutas e verduras e abolir de vez a carne. Vou conhecer pessoas de todos os cantos e quem sabe viver um amor de verão?  Eu vou sentir saudade de casa, eu sei.  Mas quando ela apertar muito eu volto pra um abraço.

Preciso viver com os  pés na areia e o coração em alto mar. Preciso aprender a surfar e ter o cabelo descolorido pelo sol. Preciso fazer meu dread e comprar um colar de pedra da lua. Preciso acordar com o barulho das ondas e caminhar pela manhã com o sol deixando a marquinha de biquíni ainda mais forte.

Nunca fui boa com sentimentos

Nunca fui boa com sentimentos. Na verdade nunca fui boa em falar de sentimentos, escrever é outra história. Nunca fui boa de demonstrar sentimentos. Não que eu não sentisse, sempre senti muito mas sempre senti só pra mim. Nunca fui ( e acho que nunca serei) aquele tipo de pessoa que grita o que sente por aí. Se você me cobrar isso, provavelmente vou fugir.

As vezes parece joguinho mas é só essa mania de não querer mentir. Nem pra mim e nem pro outro. Se eu não quero responder, eu não vou. Não adianta. Pode parecer grosseria só que eu te juro que não é. Provavelmente eu demore pra responder um pouco. Às vezes porque não queria responder naquela hora, às vezes porque eu esqueci ou às vezes só porque não deu mesmo. Pode ser que eu te responda rápido, mantenha a conversa, chame de vez em quando. Pode significar alguma coisa; Ou não.

Talvez eu demonstre de milhares de formas mas esqueça as convencionais. Provavelmente vai ser muito difícil eu falar que te amo. Se eu falar, por livre e espontânea vontade, sem cobranças e na frente das pessoas, pode ter certeza que é verdade. Na frente das pessoas porque um dos sentimentos mais difíceis de lidar é o medo de se sentir vulnerável. E isso talvez seja a prova do quanto eu me sinto.

Ah, tem outra coisa: eu tenho uma facilidade gigante em colocar ponto final nas histórias. E se eu coloquei é porque não tem mais jeito e te garanto: não tem volta. Ah, e não importa o quanto isso tenha importado, se eu coloquei ponto final é que já esqueci mesmo.

Essa coisa de não saber demonstrar ou demonstrar do meu jeito faz com que as pessoas achem que a gente não sente. E ó, sente viu. Sente muito, quase como um turbilhão. Faz planos, sonha só que tudo em silêncio.

Mas olha vou te dar uma dica: seja sincero com você mesmo, com seus sentimentos. Não escute o que as pessoas falam pra você fazer e faça só o que te der vontade e assim, o único responsável pelos seus sucessos e fracassos será você mesmo.

 

Pregadora de internet: o que eu não quero ser

Eu não quero ser uma pregadora de internet. Que escreve textão sobre Ele mas que as pessoas sabem que meu caráter não é nada parecido com o de Jesus.

Eu não quero falar Dele por coisas que eu ouvi das experiências que outros tiveram ou de pregações que escutei. Eu quero falar Dele porque O conheço. Porque temos um relacionamento e as pessoas conseguem enxergar isso em mim.

Também não quero ser um cristão chato. Daqueles superespirutuais. Que falam que dor de cabeça é possessão e que demonizam tudo. Não quero não falar com determinado grupo de pessoas porque eles não acreditam nas mesmas coisas que eu.

Não quero não falar com determinado grupo de pessoas porque eles não acreditam nas mesmas coisas que eu. Quero falar com quem não acredita e não conhece Jesus e pregar não através de palavras enfiadas goela abaixo mas por atitudes, por ações, por obras.

Quero que as pessoas saibam que Jesus é o Senhor da minha vida mas que mesmo assim saibam que podem conversar de qualquer assunto comigo. Quero que elas saibam que não vou julgar os seus pecados porque eu, infelizmente, também tenho os meus. Quero que saibam que se eu falo Dele é porque tento, um pouquinho a cada dia ser mais parecida com Ele.

Mais uma vez: em caráter e não em palavras bonitas. Tanta gente fala de Jesus e não O conhece! Eu não quero ser uma pregadora de internet! Que eu não tenha a oportunidade de abrir a minha boca ou escrever qualquer coisa se não for pra falar apenas do que eu vivo!

Metas para as férias

Hellou, hellou!

O post de hoje é diferente! Chegou as férias e eu fico louca pra fazer algumas coisas, por isso vou compartilhar minhas metas aqui:

♥ Estudar teologia 

Eu assisto muito os vídeos do Luca Martini (se você não conhece, corre aqui porque o cara é loco!) e sempre penso: mano, esse cara manja de Bíblia e teologia viu? E eu ainda não consigo me definir como Calvinista ou arminiana, então nessas férias quero estudar pra ter uma base mais sólida na minha teologia. Só vamos!

♥ Adiantar meu livro

Pra quem não sabe, estou em ano de TCC e o meu trabalho será um livro-reportagem sobre transtornos alimentares. Está sendo um negócio tão lindo minha gente! Cheio de pessoas maravilhosas que vão me contar suas histórias e estão me permitindo escrever sobre elas.

♥ Comer direito

Gente, socorro! Não sei comer direito hahaha Tomo muito café, esqueço de comer nas horas certas, sou frenética louca por doce! Mas Deus vai me ajudar kkkkkkk

♥ Terminar os livros que eu tô lendo/ séries 

Será que só eu tenho sérios problemas de concentração e não consigo terminar as coisas?

 

 

 

Sofra mas não faça isso para sempre

Sofra…Se permita sofrer mas não para sempre. Permita que dia ou outro você fique embaixo das cobertas tendo uma xícara de café e o celular de companhia. Ou talvez nem isso. Apenas só você. Se permita chorar de vez em quando, chorar alivia. Se permita ouvir a música mais triste que conhece e trazer à tona todas as lembranças que te doeram um dia ou que ainda doem. Permita que você sinta intensamente tudo que sofreu e as pessoas que teve que deixar ou que te deixaram pra trás. Sofra nos dias nublados e levante nos dias de sol. Sofra quando estiver muito difícil mas levante para ir tomar um banho nos dias impossíveis.

Permita a si mesma que seu coração pare por alguns minutos sentindo aquele soco no estômago mais uma vez, aquela saudade dolorida, aquele sonho que não deu certo… Mas não deixe que isso dure mais de um dia. Você precisa levantar, enxugar as lágrimas e ver que a vida continua, por mais que, vez ou outra, você prefira que ela tivesse parado. E sabe porque ela continua? Porque ainda existem propósitos na sua vida, porque você ainda vai realizar seus sonhos, porque ainda existem motivos que te façam sorrir. Mas pra isso, meu amor, você precisa decidir viver.

Não, eu não falo isso como se fosse fácil. Eu sei que às vezes debaixo das cobertas é o lugar mais seguro. Mas isso vai te deixar cego para as pequenas coisas… Já parou pra pensar que talvez uma florzinha no meio do seu caminho pra casa pode ser um detalhe pensado por Deus pra te fazer lembrar que você é amada sim mesmo que não seja por você mesma ?

Os pequenos detalhes precisam te lembrar que você faz parte de algo maior e que toda dor que um dia você sentiu serve pra que você se torne melhor, mais forte e ainda mais amada. Você pode não ver, mas é mais amada a cada dia. A dor precisa ser sentida mas não pra sempre! Se permita assistir sua série favorita, dançar sozinha no seu quarto ao som daquela música que te anima e a ficar horas em frente ao computador vendo fotos de bichinhos fofinhos. Mas dê um basta a dor porque a felicidade bate à porta. Você já sofreu demais; é hora de deixar ela entrar!

Eu sou geração mimimi

Você vai me desculpar mas eu sou sim a geração mimimi. Vou te explicar: esses dias vi uma postagem no facebook que dizia algo como ” você pode ter amigas, desde que elas sejam feias ou do sexo oposto”, eu, que não sei me controlar quis polemizar e comentei que era assim que um relacionamento abusivo começa. Porque eu realmente acho que é.  Esse comentário teve mais ou menos 60 curtidas mas também mais ou menos 25 respostas falando que eu era mimizenta de achar que tudo era abusivo e toda aquela bagunça que as pessoas que se dizem descoladas falam. E aí eu vejo dois problemas bem gritantes nessa historinha:
1. É ridículo a gente tentar controlar as amizades da pessoa e só aceitar que ela se relacione com pessoas do sexo oposto. Isso é uma insegurança do tamanho do mundo que vai deixar a) seu parceiro sozinho, porque seu relacionamento sendo assim obviamente vai acabar uma hora. b) você sozinho porque quando seu relacionamento acabar você também terá se distanciado de todo resto do mundo.

2. É também ridículo a gente ficar classificando pessoas em bonitas e feias. Eu tenho a plena consciência que algumas pessoas me acham feias porque eu não estou no ” padrão de beleza delas”. Mas outras me acham bonitas. O que tá por fora não precisa ser o principal quando temos cérebro e nos colocarmos como rivais só mostra que não o temos.

Então meu amor, o que eu tenho pra te falar é que eu sou mimizenta sim. Eu prefiro dizer que uma relação abusiva começa com as coisas pequenas que deixar que todo mundo caia nessa neura e só saia quando está acabado por dentro. Eu prefiro polemizar e comentar que um post foi preconceituoso sim que deixar que os pequenos preconceitos tomem raízes maiores. Eu prefiro ser geração mimimi e falar que alguns atos são machismos que aceitar que eu e outras tantas mulheres sejamos rebaixadas a um objeto ou sejamos colocadas como rivais. Se eu vou mudar o mundo assim ?

Provavelmente não mas prefiro que me vejam como geração mimimi a me verem como alguém que por fingir que não viu, deixou que as raízes preconceituosas ganhassem um pouquinho mais de espaço. Prefiro receber pedras mas não deixar que apedrejem.