Ansiedade que habita em mim

Hoje eu acordei daquele jeito. Aquele jeito que você já sabe: a ansiedade rasgando meu peito. Aquele jeito que você sabe, me faz me isolar e me trancar em mim mesma, me faz ouvir músicas tristes e enrolar freneticamente uma mechinha do meu cabelo.

Daquele jeito que, por mim ficaria sem escovar os dentes, tomar banho, pentear o cabelo e olhar no espelho. O porquê de tudo isso? É que a minha velha conhecida, ansiedade, decidiu aparecer pra uma visita. Tem dias que a visita é rápida mas consegue fazer um grande estrago, causar um belo desconforto próprio da amiga de anos. Tem dias que ela dura o dia todo, desde o café da manhã até os sonhos conturbados e aí, você vai aprendendo a viver. Não se torna mais fácil mas vez ou outra não é uma escolha.

Mas tudo bem ansiedade, eu penso.

Só que às vezes nem está tão bem assim. Mas eu tenho que fingir pra mim até acreditar e vai ter uma hora que eu vou acreditar. E vai ter uma hora melhor ainda: a hora que eu vou mandar a ansiedade embora. Vou dizer pra ela que não tem mais espaço aqui. Dizer que ela não pode ficar no meu estômago junto com todas essas borboletas que ela me traz. Dizer que eu não quero mais essas mãos frias e as náuseas da sua presença.

Também vou dizer que não quero ficar triste sem saber o porquê. Hoje não. Quem sabe amanhã? Mas hoje não. Hoje não vai ter espaço pras músicas tristes e pra vontade de ir correndo pro banheiro chorar, mesmo que eu não saiba o motivo. Hoje não. Amanhã quem sabe? Mas hoje não vai dar.

Se bem que hoje eu acordei daquele jeito que você já sabe… Então me desculpe se, por um momento, eu passar mais tempo com essa amiga e olhando pra dentro de mim do que enxergando o mundo lá fora. É que hoje acordei daquele jeito que você já sabe.

Um comentário sobre “Ansiedade que habita em mim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge