O amor vem devagar o resto é pressa

O amor vem devagar o resto é pressa. É isso, só isso.

Se causa turbulência, se causa bagunça, confusão e você não sabe como agir não é amor, é carência. Amor nunca vem pra causar dúvida, ele é um tiro certo, uma faca com a cerra afiada, uma verdade absoluta – mesmo que toda verdade seja absoluta e não dê pra ser verdade pela metade. Mas acontece é que a vida tá cheia de pessoas pela metade, de meias verdades, meios amores e quase certezas. Isso não é amor, é pressa ou desespero.

Pressa de não dar tempo e desespero de nunca encontrar alguém que seja sua verdade absoluta. Mas só tem esse medo quem não sabe ser sua própria verdade, quando você sabe quem é não precisa de outro ser humano pra te validar como pessoa, como amor. Essas coisas aí, de ter pressa, de amores que bagunçam servem pra quem não sabe o que quer ou não quer nada por enquanto e na verdade, até quando a gente pode aceitar ser a meia verdade de alguém? Tudo que é pressa, uma hora acaba. Até quando a gente pode aceitar ser o passatempo até ter certeza de quem não sabe nem o que é ?

O amor vem devagar.

Porque antes de tudo o amor é paciente, é benigno. Antes de tudo, o amor se alegra com a verdade e sem ele nada é possível, o amor é a maior de todas as coisas. O amor vem devagar. O amor vem devagar porque vem aos poucos. Conquista seu espaço com o intuito de não ir embora – mesmo que um dia vá. E tá tudo bem! Não é só porque acabou que não era amor, algumas coisas tem tempo pra durar e a maturidade nos faz entender e aceitar o tempo de tudo.

O amor é como um copo de café. Só pode ser bom se for quente. Mas ao mesmo tempo, se consumido rápido demais, queima. O amor é como um café que, aos poucos vai deixando seu gosto e esquentando. O amor, meu amor, vem devagar! Todo resto é pressa.