Livro Eu não moro mais em mim da autora Gabrielle Soares Barbosa

Eu não moro mais em mim – LIVRO

Para conseguir a graduação de jornalismo eu precisava fazer um Trabalho de Conclusão de Curso como em toda faculdade. O fato é que eu queria e precisava que meu TCC fosse algo relevante pra mim e pro mundo. Eu precisava que fosse um trabalho social, porque o jornalismo é, antes de qualquer outra coisa um trabalho social a serviço do outro. O jornalismo nunca é para o jornalista, é sempre para o telespectador/ o ouvinte/ o leitor. Jornalismo é sempre para a sociedade e sempre sobre a sociedade.

Transtorno alimentar

Segura de que eu queria e precisava fazer algo social me senti na responsabilidade de olhar ao meu redor e tentar enxergar o que, de certa forma, ninguém conseguia ver ou ainda que tinha dificuldade de falar.

Sempre fui apaixonada por moda e quando estava no Ensino Médio uma das minhas melhores amigas teve anorexia. Na mesma época, uma garota que era enaltecida nas redes socais pela sua magreza morreu em decorrência da anorexia. Me lembrei que na época tudo aquilo havia mexido muito comigo. Pensei: pronto! Poucas pessoas falavam sobre esse assunto e seria um tema relevante pra sociedade.

No meu terceiro ano de faculdade comecei meu estudos sobre o tema. Por gostar de moda minha ideia principal era falar dos transtornos alimentares das modelos. Elas são extremamente oprimidas pelos padrões exigidos nas passarelas. O que aconteceu é que meus estudos começaram a mostrar que muitas pessoas comuns sofriam de transtornos alimentares.  E por mais que esse assunto não fosse debatido, quando chegava a ser pauta era sempre sobre modelos. Ninguém sabia de pessoas normais. Pessoas que não tinham um padrão tão acirrado para conseguir trabalho e que mesmo assim sofriam profundamente com a busca pela magreza.

Eu não moro mais em mim

Era impossível fazer um vídeo sobre o tema. Geraria uma exposição para os entrevistados que não era o que eu queria. Além do mais, a escrita sempre teve muito mais a ver comigo do que os vídeos. Eu me expressava muito melhor escrevendo e então decidi que faria um livro reportagem sobre transtornos alimentares e padrões irreais de beleza.

O Eu não moro mais em mim demorou para chegar como título, na verdade, foi uma das últimas coisas a ser feita. Mas passa a reflexão que eu planejava: uma pessoa com transtorno alimentar é uma pessoa que deixou de morar no seu corpo. Casa é onde a gente se sente à vontade e essa pessoa não se reconhece mais nessa casa. Era um sofrimento absurdo sempre visto como uma fase que passaria em breve ou pura vaidade.

Entendi que meu papel seria difícil: mostrar que as doenças mentais são mais comuns que imaginamos e assim como um problema de coluna, precisam de tratamento. Era doença e não fase. Além disso tinha alto índice de morte.

O que eu espero

O que eu precisava agora era buscar as histórias que eu contaria e defini que cada personagem traria foco em um tema. Todo o processo de busca foi cuidados e me envolvi muitos com as pessoas que se tornaram meus amigos queridos. Muito além de tudo isso, não posso te contar ainda. Uma hora você irá saber mais. Eu espero que uma hora o Eu não moro mais em mim esteja nas suas mãos. Eu espero que uma hora o Eu não moro mais em mim esteja por toda parte. Mas quanto isso, podemos falar um pouco sobre ele por aqui! <3

Eu espero, de todo coração que um pouquinho do que escrevo aqui, te faça enxergar esse assunto de forma diferente e principalmente livre de preconceitos. Doenças mentais são doenças e tá tudo bem.

Mulher grávida - aborto e Cristianismo

Aborto e Cristianismo: seja luz!

É extremamente difícil unir esses dois assuntos: aborto e Cristianismo. Isso porque, obviamente, um vai totalmente contra o outro. Porém, o fato importante não é sobre concordarmos ou não com isso, é sobre como nos posicionamos. O fato é que a nossa opinião sobre os assuntos polêmicos não consegue mudá-los. Além disso, dificilmente vamos conseguir argumentar usando fatos cristãos sendo que nossas palavras disseminam intolerância e ódio. Nunca importa o que você pensa sobre o assunto, sempre importa como você o aborda.

O que quero dizer com isso? Quero dizer a forma como impomos nossa opinião mostra muito mais o tipo de cristãos que somos e se realmente estamos preocupados em levar amor pelas nações. É como dizer que bandido bom é bandido morto sendo cristão. Não faz sentido. Porque nesse momento você olha pro pecado e não pra pessoa. E pensando assim, você também merece a morte, porque seus pecados são apenas diferentes.

Aborto e Cristianismo

Esse post não é pra dizer se deve ou não ser legalizado o aborto e qual a visão devemos ter como cristãos. Vai até além disso, sabe?

Vi muitas pessoas falando por aí que quem aborta merece a morte, e aí voltamos para aquele tempo em que se paga no olho por olho e dente por dente. Tudo bem, a sua revolta pode ser a de tirar a vida de um ser indefeso, o que importa aqui é que TODA VIDA É UMA VIDA. Assim como a da mãe. O pecado dela não é maior que o seu independente de qual tenha sido o dela e qual tenha sido o seu. Mas é sempre mais fácil julgar, não é ?

Provavelmente, essa mulher tinha motivos para optar pelo aborto. É o motivo correto? NÃO! Definitivamente NÃO! 

O ódio que eu dissemino volta pra mim

Sabe o que a Bíblia diz sobre julgar? Ela diz que é INDESCULPÁVEL.

1Portanto, és indesculpável, ó homem, sejas quem for, quando julgas, porque a ti mesmo te condenas em tudo aquilo que julgas no teu semelhante. Pois tu, que julgas, praticas exatamente as mesmas atitudes. 

2Mas nós sabemos que o julgamento de Deus é de acordo com a verdade contra os que praticam tais ações. 

3Deste modo, quando tu, um simples ser humano, os julga e, todavia, praticas os mesmos atos, pensas que de alguma forma escaparás ao juízo de Deus? 

4Ou, porventura, desprezas a imensa riqueza da bondade, tolerância e paciência, não percebendo que é a própria misericórdia de Deus que te conduz ao arrependimento? 

5Entretanto, por causa da tua teimosia e do teu coração insensível e que não se arrepende, acumulas ira sobre ti no dia da ira de Deus, quando se revelará plenamente o seu justo julgamento.

 6Deus retribuirá a cada um segundo o seu procedimento.

Mas se você, que se diz cristão, dissemina ódio por essa pessoa por causa de suas escolhas, porque espera que o mundo não retribua com ódio também? O mundo é total um reflexo do que nós somos e se somos intolerantes não podemos cobrar do mundo mais tolerância. 

Se atente as suas palavras

Quando nos posicionamos sobre qualquer assunto precisamos nos posicionar em amor. É claro que é difícil falar sobre aborto e Cristianismo. Mas só conseguimos unir as duas coisas, se as nossas palavras forem de amor por todos os envolvidos. Nossa sociedade é injusta. E caso você não saiba não existe isso de “engravida quem quer”. Não que isso seja uma desculpa para abortar. Mas usar argumentos repletos de ódio e julgamento não resolvem em nada.  Além disso, eles não mudam absolutamente em nada a vida daquela mulher.

Quero te convidar a entender algumas coisas e quem sabe, olhar com mais amor também para esse assunto que envolve tanta polêmica:

Coisas que cortam o efeito do anticoncepcional: 

  • Usar remédios antibióticos.
  • Ter vômito ou diarreia.
  • Doenças ou alterações no Intestino.
  • Esquecer de tomar a pílula.
  • Consumir bebidas alcoólicas em excesso.
  • Tomar chás.
  • Consumir drogas.

Trouxe isso para mostra que nem sempre quem engravida é porque estava preparada para aquilo.  E também a maternidade não é uma escolha rápida, é para o resto da vida. Nada disso é para te fazer aceitar o aborto, porque aborto e Cristianismo dificilmente andarão juntos porém intolerância e Cristianismo também não andam. Seja diferente, fale com amor e menos ódio. Não há espaço para Jesus quando a intolerância e os julgamentos tomam conta do seu coração porque Ele é o contrário disso.

Te convido a olhar com mais amor pras pessoas e por mais que não concorde com suas decisões, abraçar ao invés de apontar. Seja luz e não trevas! Pratique a tolerância e mostre que Deus é pai e pode cuidar de todos através das suas palavras de amor e não dos seus dias de domingo na igreja. Deus é pai e ele ama. Porque você, que erra todo dia, não pode ser amor também ?

Peróla da Malhação e a mídia

No mês em que se comemora a luta pela conscientização pelos transtornos alimentares, voltamos pra esse assunto. Para contar a história da Pérola da Malhação eu ainda preciso voltar a outro ponto importante do assunto.
Bom, primeiro, como eu já falei, dia 2 de junho é comemorado o Dia Mundial de conscientização sobre os transtornos alimentares – e falar disso será importante nesse post.

No geral as pessoas acham que sabem o que é um transtorno alimentar (” – quando a pessoa não come, né? – quando come e vomita, né?”) mas a verdade é que existe um mundo muito mais complexo que isso. Primeiro de tudo: existe um mundo por trás das doenças mentais. De certa forma, quando fala-se sobre transtornos alimentares as pessoas relacionam a frescura, uma fase que logo vai passar, ou até mesmo é associado a vaidade. E como já expliquei algumas vezes nesse blog, os transtornos alimentares são disfunções na relação com a comida. Sào alterações na forma do comportamento alimentar e também na percepção corporal.

Causa surpresa dizer que a anorexia nervosa é a mais letal das doenças psiquiátricas, até mais danosa que a depressão e com prejuízo de vida que equivale à esquizofrenia. Existem pessoas com bulimia que não vomitam. E ainda que a busca por um corpo saudável pode gerar transtornos alimentares como a ortorexia ou a vigorexia.

No final das contas o que se percebe é que as pessoas entendem muito pouco sobre os transtornos alimentares. E as que entendem, ainda estão presas ao senso comum e aos preconceitos enraizados ao falar de doenças mentais.

Por que falar tudo isso? Porque eu acho sempre necessário fornecer um pouco de informação sobre transtornos alimentares e o quanto essas doenças são letais. E a maneira como falam da história da Pérola da Malhação nos faz analisar um pouco mais a maneira como é visto as doenças mentais.

A história da Pérola da Malhação

É importantíssimo falarmos sobre esse assunto na mídia. É importante promover o debate sobre todas as doenças mentais e quebrar os paradigmas que as envolvem. O que acontece é que pra isso é necessário MUITO cuidado e responsabilidade. Algo que não me parece que aconteceu nessa edição da novela. Eu não sou especialista no assunto. Mas se você me conhece ou leu a aba Transtorno Alimentar do blog, percebeu que eu tento estudar um pouco sobre isso e por isso, acabei me envolvendo muito com o assunto.

O fato é que pra fazer meu trabalho de conclusão de curso de jornalismo escrevi o livro “Eu não moro mais em mim – relatos sobre transtornos alimentares e padrões irreais.” E nesse processo o meu maior medo não era saber se eu conseguiria ou não terminar o trabalho mas sim, se ele geraria gatilho. E essa, inclusive foi uma pergunta que eu fiz para Daiana Garbin quando ela veio ao Flipoços. A Daiana e os especialistas que estavam no bate-papo me responderam que a única maneira era “não ensinando práticas”. Então, esse é um dos maiores cuidados que tenho ao falar do assunto.

Malhação tem um tratamento do tema muito parecido com 13 Reasons Why ( confira motivos para não assistir) , a série que fala sobre suicídio. O que acontece é que os dois programas geram gatilho, ensinam métodos e podem fazer com que o problema tome uma proporção maior. Há algum tempo uma novela da Globo retratou a história de uma bailarina que tinha bulimia. E a forma como a novela abordou a história fez com que o registro de pessoas com bulimia aumentasse muito. Ou seja, ensinou métodos e fez com que pessoas que já tinham propensão – seja genética ou biológica – desenvolvessem a doença como a Pérola da Malhação.

Problemas da novela

O problema dessa Malhação em tratar o tema não é só o de ensinar métodos. Ela também mostra a doença como solução.

A história da Pérola e seu problema com o corpo é muito pouco explorado até que ela tenha as crises mais graves de anorexia. Com isso, passa a ideia de que ela estava tendo esse problema naquela fase. Era uma fase e logo passaria. Muitas pessoas podem achar que de fato chegou a ser explorado esse assunto, já que no primeiro capítulo da novela a menina está desmaiada após tomar muitos remédios e seu então namorado diz que ela tinha problemas com o corpo. Quantos episódios abordaram de fato isso? Dois ? Três ?

Todo um vocabulário de um grupo de pessoas que se unem para viver a doença é exposto. Isso poderia ser bom, porque ajuda a alertar, mas ao mesmo tempo isso gera curiosidade e pra quem já busca uma “saída”pra um problema é muito perigoso.

Além disso, a novela não é NADA real. A anorexia nervosa é uma doença muito séria e ficar dias sem comer pode causar prejuízos muito sérios mas a novela dá um resultado imediato: quatro dias sem comer e você estará muito mais magra. Não é assim que funciona. O nosso organismo não reage dessa maneira e o emagrecimento é variável de corpo pra corpo. O fato é que a solução – que no caso é o emagrecimento – foi dada muito rápido. E isso pode fazer com que influencie pessoas a tentarem os métodos usados por ela, já que foram muito bem explicados e explícitos. O problema é que não é um caminho fácil de voltar. E por não chegar aos resultados de emagrecimento que a personagem chegou, a pessoas , agora munida de métodos, pode tentar por mais vezes e acabar doente.

Tratamento

O mais preocupante disso tudo: não mostra o tratamento. E de certa forma, ela melhora muito rápido. O tratamento pra transtorno alimentar, seja ele qual for, exige um tratamento de equipe multidisciplinar já que é necessário psicólogo, psiquiatra, nutricionista e muitas vezes outros médicos como cardiologista e endocrinologista entre outros por conta do dano causado ao corpo. Nada disso foi muito explicado. O que, mais uma vez, reforça a ideia de algo fácil tanto de resolver como de sair. O que é mentira.

Mas no final das contas esse é o reflexo que a mídia tem sobre esses problemas: falando é o que importa. Mas é preciso muito mais cuidado e atenção ao lidar com problemas psicológicos e metais. Exige responsabilidade e comprometimento.

É como ouvi sobre a série 13 Reasons Why: Se não é pra quem tem o problema porque gera gatilho mas também é perigoso pra quem não tem porque pode fazer com que a pessoa aprenda os métodos, no final das contas é pra quem?

A Pérola da Malhação assim como a Hannah de 13 Reasons Why são pessoas doentes. E assim como todo tratamento, precisariam passar por processos, processos longos e muitas vezes dolorosos. Talvez mais eficaz que falar sobre o tema seja cuidar para que ele não seja proliferado.

Mais que querer falar sobre transtornos alimentares na televisão talvez o interessante fosse dar mais espaço para garotas gordas, acima do peso ou com belezas diferentes do que estamos acostumados a ver nas televisões e nas séries. Imagina que revolução seria se todos os protagonistas fossem “pessoas reais”como a Rae de My Mad Fat Diary ?

 

foto mostra mistura de duas fotos em uma arte cristã

Arte cristã: Manifeste o Amor!

Por muito tempo eu vi a arte cristã como algo até meio distante. Arte pra mim era uma peça de teatro, uma pintura abstrata e uma dança contemporânea. Acredito que isso se tornou concreto na minha cabeça porque a igreja demorou a ver a arte como meio evangelístico. Não que não houvesse arte nas igrejas. Mas elas quase nunca eram autênticas. Se repetiam, eram muito parecidas e o mais longe da visão que tínhamos da arte do mundo possível. Mas qual o problema de usar o que está lá fora para tocar aqui dentro? Foi o que sempre pensei. Por que a arte da igreja não pode ser ousada, autêntica e diferente? Não seria esse o único jeito de alcançar definitivamente pessoas pela arte?

Arte cristã como instrumento

Talvez a dificuldade de trazer a arte que vemos no mundo para as igrejas como forma de manifesto cristão seja porque o conceito de arte seja muito amplo pra todos e aí, acabamos nos perdemos em o que podemos oferecer de arte nas igrejas. A verdade é que muitas coisas e filósofos tentaram definir o que arte. Platão e Aristóteles definiram arte de maneiras diferentes mas os dois englobaram quase tudo.

Porque na real arte é tudo, é sonoro, é movimento, é reflexão, é expressão, é um punhado de coisas que consegue, em perfeição, demostrar tudo que está dentro do seu coração. E bom, se dentro dele transbordar amor por Deus é isso que sua arte fará. Para entender um pouquinho mais sobre o conceito exato de arte você pode ler aqui.

O que acontece é que quando temos certeza de quem somos em Deus e do nosso papel influenciador ( tem um texto falando sobre isso no blog), tudo que sai de nós passa a ser duas coisas: arte e manifesto do amor de Deus. O que não podemos fazer é deixar de lado a arte que nosso coração inspira e expira. E nosso coração é cheio de arte e faz parte do chamado específico de Deus pra nossa vida descobrir qual a arte que há em nós que pode, de forma única e clara, manifestar quem Jesus é.

Precisamos entender que tudo arte. Eu descobri que a minha maior arte tem a ver com a escrita assim como com a fotografia. Tem gente que desenha bem, canta bem, dança bem, faz artes manuais enfim, há um pouco de arte em cada um de nós.

E por que eu acredito que a igreja ainda tem uma barreira com a arte?

Porque eu acho que poucas pessoas ousam em suas artes pra Deus. A igreja tem medo de ficar parecida com o mundo enquanto tudo que há foi criado por Deus, então antes de ser “do mundo”é Dele. A música não é do mundo. Nem as fotografias, os textos, as pinturas. Também não são os filmes, as peças de teatro, os trabalhos manuais. Nada é do mundo, tudo é de Deus. Precisamos tomar como nosso aquilo que foi dado por Ele.

Esse texto é mais pra te fazer refletir sobre a arte que há em você que pode refletir o amor de Deus e pra te fazer ser OUSADO nela. É a ousadia que faz o mundo querer conhecer Jesus. É aa loucura das coisas que Ele faz e de quem Ele é que faz as pessoas se interessarem por um amor sem julgamentos, cobranças e que de quebra ainda dá liberdade em todos os sentidos!

Se é a loucura que atrai – e convenhamos que é bíblico porque “Deus fez as coisas loucas desse mundo para confundir as sábias”- seja louco também. Faça mais do que o mundo espera que “você pode fazer por ser cristão”. Saia da caixa! Vá !

Para te inspirar, fica um vídeo de um clipe da Priscilla Alcantara que tem feito ARTE PRA JESUS DE UMA MANEIRA INCRÍVEL que tem alcançado pessoas dentro e fora das igrejas. É isso que arte cristã faz: une!

 

amigo influenciador conversando sentados com um café

Influenciador ou influenciado pelo meio ?

Quem é você diante de Deus? Você é um influenciador ou alguém influenciável ?  Você é alguém que influencia as pessoas ou é facilmente influenciado por elas? Você é aquela pessoa que muda o ambiente que está ou aquela que é facilmente mudado pelo ambiente ? Você busca se adaptar aos lugares ou seus valores são imutáveis?

Por muito tempo eu fiquei presa no que poderia ou não fazer, onde poderia ou não ir. E aí eu percebi que tudo isso era medo de que o ambiente me influenciasse. De que, de alguma forma, eu me tornasse “menos cristã”. E isso acontece quando não temos certeza de quem somos, não nos enxergamos completamente refletidos em Deus e através Dele. Porque não há como diminuir o que você é, e se você é cheio de Deus e tem total certeza disso, os ambientes não te influenciam mais e sim, você se torna um influenciador dos meios. Independente de quais!

Caráter influenciador e mente centrada em Deus

O autoconhecimento é um dos principais fatores que te ajudarão a saber quem você é em Deus. Saber isso muda muita coisa. Na verdade não, saber isso muda TUDO!

Quando você descobre que, não importa onde você esteja, se souber totalmente quem é e os sonhos e planos de Deus pra sua vida, você se torna um influenciador e todo o resto não importa. Não importa lugares, pessoas, julgamentos e olhares: é entre você e Deus e ELE BASTA porque você sabe quem Ele é e quem você é Nele.

E sabe qual a diferença disso? Você não tem mais medo de ser menos cristão e nem dos olhares que possam te julgar e, muito menos, dos lugares que possam te influenciar. Você não é influenciável mais, você passa a ser um influenciador!

Vida com Deus não é sobre o que pode e o que não pode

Pare de pensar que sua vida com Deus está baseada no que você acha que pode ou não fazer. Vida com Deus não é isso, vida com Deus é relacionamento! E sabe o que é relacionamento? Relacionamento é deixar que Ele te mostre até onde ir. 

Deus é Deus de liberdade. Liberdade é não olhar pro outro e sim pra cruz. É de lá que deve vim todas as suas perguntas e principalmente suas respostas. Deus não divide as pessoas como aptas ou não para recebê-Lo, quem faz isso somos nós.

Então, abra sua mente e comece a levar mais de Deus independente dos lugares. Deixe de lado toda religiosidade que tenta te fazer sentir medo de ser menos cristão. Se você ainda tem medo de se perder, sinto em dizer que você ainda não se achou completamente Nele. Quem conhece a Deus verdadeiramente não corre o risco de se perder porque Ele é tudo que você tem!

Não devemos ter medo do mundo, precisamos ter medo de nos envolvermos em uma bolha e não ir ao mundo! Eu não consigo enxergar que pessoas que são sal da Terra e luz do mundo conseguem dar sabor onde só tem sal e muito menos iluminar em meio a claridade ( Mateus 5). É hora de ir!

Viva em abundância!

É hora de deixar preconceitos de lado e viver de verdade! Jesus veio para que tivéssemos vida e vida em abundância, como diz em João 10. Por isso, não podemos apenas sobreviver! É preciso começar a viver! Ser sal e luz onde não há claridade! Viver de verdade tendo certeza de quem nós somos. Identidade é entender a paternidade e entender a paternidade é ser LIVRE! Ah, e saber o que é ser livre ? Ser influenciador e não influenciado pelos meios!

Pare de ter medo de se perder, se encontre Nele e vai levar sua identidade pro mundo!

Amor próprio: 05 coisas que você precisa saber

Hoje falamos muito sobre amor próprio e ao mesmo tempo somos cobrados constantemente a viver esse conceito. Ele é induzido quase goela abaixo. A verdade é que o caminho do amor próprio e autoestima é longo e demorado. Não aparece do dia para a noite. Mas ainda assim é um processo de libertação e todo processo de libertação é positivo. Nesse caminho você terá algumas lições:

01- Não é sobre como as pessoas te vêm, é sobre como você se vê

Muita gente fala: ” nossa, mas você é tão bonita (o), tem que se amar!”, o negócio é que amor próprio e principalmente autoestima não está ligado à forma que as pessoas te veem e sim, à maneira como VOCÊ se vê. Não está intimamente ligado a elogios mas sim em que, apesar dos elogios, você mesmo não se enxerga como as pessoas te enxergam e acaba se sentindo inferior, incapaz e despreparado a amar algo que não admira: você.

Dizer que uma pessoa é bonita pra ajudar na autoestima não resolve muita coisa. Melhor que olhar pro exterior é elogiar o interior de alguém que está no processo de autoaceitação. Provavelmente, ela vai achar que o elogio a beleza no geral é da boca pra fora – porque ela não enxerga da maneira que você enxerga – enquanto o elogio a algum feito vai ganhar um espaço especial.

02- Você não merece ser amado só se se amar primeiro

Escutamos muito por aí que só podemos ser amados quando nos amamos. Só encontraremos o amor da vida quando estivermos completamente bem e feliz sozinhos e com tudo que somos.

Mas o que acontece é que, ao falar isso pra uma pessoa com baixa autoestima, só reforçamos ainda mais dentro dela a ideia de que ela não merece amor. E ao mesmo tempo vamos contra todo discurso de amor que nos mostra que Deus nos ama apesar da nossa fraqueza. Ou só merecemos o amor Dele quando estamos completamente sarados e curados? Não! A Bíblia nos diz que Deus nos amou quando éramos ainda falhos, como diz em Romanos 5:8.

Se Deus – que é perfeito –  nos amou na nossa imperfeição, porque nós, imperfeitos não podemos amar outros tão imperfeitos quanto nós? 

Quando continuamos falando que só seremos amados quando nos amarmos estamos dizendo pro outro que é fácil, “SE AMA AÍ” e sabemos bem que não é assim.

03- Amor próprio não é egoismo. Mas não é fácil entender isso.

Outra coisa que repetimos por aí é que amor próprio não é egoísmo e tudo bem se escolher primeiro. Geralmente, quem tem problema com isso sabe de cor essas frases, o problema é aplicá-las.

Mesmo sabendo que deveria se amar primeiro a pessoa tem tanta dificuldade em fazer isso que não consegue. É simples e doloroso então não continue repetindo frases clichês: ela conhece todas, só não consegue aplicar.

04- Baixa autoestima é reflexo da busca pela perfeição

A baixa autoestima está intimamente ligada à cobrança excessiva. Quando a pessoa se enxerga de maneira distorcida, na maioria dos casos é porque busca uma perfeição inalcançável e aí não falamos apenas da busca pela perfeição do corpo ( que pode gerar um transtorno alimentar) mas também em relação a tudo. A nunca se sentir completamente suficiente pra alguma coisa ou alguém. Seja suficientemente inteligente, engraçado ou qualquer outra coisa.

A busca pela perfeição – que não existe – faz com que a pessoa se cobre cada vez mais e se enxergue cada vez menos.

05- É um processo e tem recaídas

Entre as coisas mais difíceis de entender sobre processos é que eles tem altos e baixos. E levam tempo. A busca pela autoaceitação e autoestima são processos que exigem um passo de cada vez e por isso podem gerar recaídas. Recaídas apesar de dolorosas são boas e tudo bem acordar um dia mal.

Não somos robôs e não conseguimos programar nossas emoções. Mas, sobretudo, as recaídas nos fazem levantar de novo e essa é a maior beleza dos processos.